Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mar Adentro

Rosa Pena


Nasci humano. Não nasci planta, pois esta veio preparada para matar a sede com a água da chuva. Pior mesmo é não conseguir alcançá-la!Nasci humano porque assim nasci. Por que devo viver como um vegetal, sem sequer usufruir o sol, se não darei flores, não renderei frutos, não enfeito? 

Ramón Sampedro é um homem que luta para ter o direito de pôr fim à sua própria vida. Na juventude ele sofreu um acidente, que o deixou tetraplégico e preso a uma cama por 28 anos. Extremamente inteligente Ramón decide lutar pelo direito de decidir sobre sua própria vida. Quer morrer com a mesma dignidade com que nasceu.

A grande discussão sobre este filme consiste em se afirmar que ele defende a eutanásia, quando o que percebo com muita clareza é que Rámon (personagem baseado na vida real do escritor Ramón), defende a liberdade individual de cada um, inclusive a de tirar a própria vida. É a mesma coisa, dizem alguns, se o diretor não deixasse bem claro a lucidez do personagem em declarar em alto e bom-tom, que não está induzindo  essa pratica  a todos os tetraplégicos ou doentes terminais. O que o personagem teima em defender é o seu direito de fazer o que bem entender com seu corpo matéria, tendo em vista que este continua aqui apenas ocupando espaço no planeta, sem utilidade e principalmente sem prazer. Se ele não acredita em vida pós-morte, não concebe ficar aqui para sofrer. Quer o seu direito de cidadão, para dar um basta a sua dor.

O personagem apresentado não é um revoltado, nem depressivo, aliás, ao contrário, passa o tempo todo com um sorriso nos lábios, como uma máscara protetora. Afirma, inclusive, que faz assim para minorar o trabalho de quem trata dele. Cuidar de um baixo astral é dose!

É óbvio que entra em campo minado, pois entra no direito inalienável, estabelecido pelos que acreditam em Deus e todos os demais conceitos pré-fabricados  de valores inatacáveis. 

Ele não faz apologia à eutanásia, muito menos eu! 

Grita pela massificação e repressão as liberdades, por seus direitos, inclusive o de ser ateu.

Levou-me a reflexão, apesar de ter fé em Deus. Mas, se Nele acredito, tenho o dever de respeitar a todos independentemente de crenças. 

Vale a pena ver, se não pela história,  pelo desempenho brilhante Javier Bardem no papel de Ramón. 






Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 26/02/2005
Reeditado em 29/08/2012
Código do texto: T5247
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1419960 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:07)
Rosa Pena

Site do Escritor