Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

“Posso fingir de outros, mas não posso fugir de mim”**

Sou a mais paradoxal das criaturas:

Sou corajosa por ter medo; ajo por temer a reação.
Sou introspectiva quando quero falar; eufórica quando estou triste.
Quando quero dormir, tomo café; para me espertar, suco de maracujá.
Quando quero relembrar, bebo; e para esquecer, penso.

No pior dia da semana (domingo), li um dos melhores livros: “O Livro dos Abraços”, de Eduardo Galeano, e foi então que percebia que o paradoxo é o equilíbrio que move o mundo.

Ninguém escapa.
Nem Jesus, que nasceu num deserto e tem como símbolo do dia de seu nascimento a neve.
Nem Hitler, que sendo austríaco, tornou-se o mais alemão dos alemães.
Nem Che Guevara, que depois de reprovado no exército, veio a ser um dos maiores guerrilheiros.
Nem Carlos Magno, que era analfabeto e criou a primeira grande biblioteca.

Sequer Don Quixote, que dizem dizer "Ladram, Sancho, sinal que cavalgamos", quando não o fez; nem o personagem de Humphrey Bogart em Casablanca, que não diz a lendária frase: “Play it again, Sam”.

Muito menos eu, que não gosto de ser o centro das atenções, mas só escrevo sobre mim.

Pelo menos, de Barros explica, e, quem lê, perdoa.


**Manoel de Barros
Cristina Carneiro
Enviado por Cristina Carneiro em 02/10/2005
Código do texto: T55866
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Carneiro
Fortaleza - Ceará - Brasil, 34 anos
56 textos (2431 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:18)
Cristina Carneiro