Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM DIA, QUEM SABE?



A Jorge Amado, in memoriam
 
Num bloco de couro, antigo, onde coloco os títulos de livros que leio, hoje registrei o número 923.O livro é:  64 contos de Rubem Fonseca.
Faço uma retrospectiva  através dessas páginas e me vejo muito jovem, lendo A Divina Comédia, de Dante. Para muitos seria um desestímulo começar com  tal título, pois para mim foi tão extraordinário, tão cheio de encanto, que me apaixonei por livros. Comecei, então, a devorar clássicos antigos e contemporâneos. De Dante passei a Camões, Milton, e a cada dia mais me integrava ao mundo das  Letras.
Houve  época que só lia Jorge Amado. Devorei todos os livros da coleção distribuída por Fernando Chinaglia.   Jorge tem  um estilo que me leva aos locais descritos e até me sinto interagir mentalmente com seus personagens, que sempre me parecem  familiares. Jorge Amado marcou minha carreira de leitora. Lembro-me que quando ia a Salvador, me hospedava numa casa na Rua Alagoinhas, bem perto da  em que ele residia. Tudo fazia para encontrar  meu ídolo. Nunca tive  sorte, mas as pessoas  diziam: - um dia, quem sabe? Da última vez que fui, ele já não estava lá. Decerto já  havia até se encontrado com todos os seus personagens! Senti saudade do tempo que não conseguia encontrá-lo, pois sempre havia a esperança implícita  na frase: um dia, quem sabe?
E fui conhecendo um mundo maravilhoso... Clarice Lispector, Dalton Trevisan,  Cecília, Drummond, Adélia, Pessoa, Lorca, Florbela, Neruda, Hemingway, Jean Paul e Simone...
Agora, tenho opinião firme em relação às minhas minhas preferências literárias. Thiago de Mello é meu poeta preferido. Definitivamente. O escritor Bernardo Carvalho foi uma surpresa, um impacto na minha carrreira de leitora, assim como Mia Couto. Por vezes  me peguei prendendo a respiração  enquanto lia Nove  noites, de Bernardo  e  Estórias abesonhadas, de  Mia. Permaneci  em estado de encantamento por um longo período.
Conheci  Caio Fernando Abreu após sua partida. Sorvi avidamente muitos dos seus  livros. Ganhou minha admiração. Suas crônicas são excelentes. Um ser místico, inteligente e poético.  É um de meus favoritos.  Lastimo sua partida precoce.
Katherine Mansfield afaga meu coração, através de seus maravilhosos  contos.  Graças a ela, agora tento detalhar ambientes  e mostrar  características  psicológicas de personagens, nas crônicas e contos, coisa que não ousava fazer.  Hoje tateio nas descrições. Um dia, quem sabe?
Tenho um vício do qual pretendo  me libertar. Sempre que escrevo a um escritor que admiro, digo: um dia vou escrever igual a você. Não. Um dia escreverei  bem. Hoje engatinho pelo caminho das Letras. Sou uma aprendiz, e observo, infelizmente, estrelismos vindos de autores não consagrados, desconhecidos,   enquanto  através dos consagrados recebo palavras simples, afetuosas. São muitos os escritores renomados   despojados dessa vaidade tola, e  que deveriam ensinar aos que, ainda titubeantes, pensam que alcançaram o Reino dos  Céus...
Glória a Lya Luft, Martha Medeiros, Hilda Hilst, Orígenes Lessa, Ledo Ivo, Fernando Sabino, Agualusa, Paul Auster! Que me perdoem os que omiti, certamente por falta de espaço. Se continuasse, não acabaria nunca essa retrospectiva.
 
Um dia, quem sabe,  eu venha a ser uma escritora, na verdadeira acepção da palavra?
 
Que eu continue dizendo: "um dia, quem sabe?", estando, aí,  viva, a chama da esperança...Que seja uma espécie de mantra.
 
Diferente daquele  dia que passei em frente a casa de Jorge Amado,  e com tristeza infinita devido a sua ausência,  não pude mais  ouvir  a frase que  sempre me acompanhava  nas passagens pela Rua Alagoinhas.
 
 
belvedere
Enviado por belvedere em 07/10/2005
Código do texto: T57592

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73256 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:02)
belvedere

Site do Escritor