Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SUECIA COPA DO MUNDO DE 1958



Suécia – Copa do Mundo de 1958

1)    Antecedentes
2)    As Eliminatórias
3)    O Brasil no Velho Continente
4)      As finais – Brasil Campeão
 
1)    Antecedentes
 
 Em 1950, a copa era do Brasil como em 1954 ela era da Hungria. No ano de  1958 não havia uma equipe que se destacasse como candidata ao título. Só após a terceira rodada, o mundo viu surgir duas equipes com possibilidade de atingir o topo da copa, bem como também dois jogadores brasileiros que escreveriam o seu nome no cenário esportivo internacional. Edson Arantes do Nascimento (Pelé) e Garrincha.
Na copa de 1954, o Brasil sob o comando de Zezé Moreira não passou das quartas de final ao sofrer derrota fragorosa para a forte equipe da Hungria. 4 x 2. Apareceria a figura de Puskas, grande jogador húngaro.
A excursão a Europa em 1956 com o técnico Flavio Costa não convenceu. O saldo final foi inexprimível.
Brasil 1 x Portugal 0, Brasil 1 x Turquia 0, Brasil 2  Áustria 1, Brasil 1 x Suíça 1 e Brasil 0 x Tchecoslováquia 0,
Dava a certeza a CBD da necessidade de se mudar a estrutura do futebol brasileiro.
Entrou o ano de 1957 e um empresário brasileiro, sucesso no campo empresarial, dinâmico e um visionário, assumia o comando da seleção acabando de uma vez por todas com o trabalho improvisado do passado. Em meados de 1957, Paulo Machado de Carvalho montava o seu plano de ação e o apresentava.  Com a eleição de João Havelange para a presidência da CBD em 14 de janeiro de 1958, é aprovado o planejamento do empresário até então desconhecido no cenário futebolístico, com a nomeação inicial da comissão técnica composta por Carlos Nascimento, Vicente Feola e José de Almeida. A modificação estava assim concretizada e pronta para se desenvolver...
2- As Eliminatórias
A fase das eliminatórias se resumiu na disputa entre Brasil e Peru, uma vez que a Venezuela deixou de concorrer. Em Lima no Peru, o Brasil conseguiria um frio empate de 1 x 1.A partida de volta no Maracanã foi sofrida. Com um gol de folha seca do Didi, o Brasil estava com os passaportes para os campos da Suécia.
Como sempre acontece, a gritaria com a escalação da seleção foi enorme...A imprensa também teve o seu papel negativo. Eram os resquícios das copas anteriores difíceis de serem substituídas de imediato.. Mas o trabalho organizado continuava. Como sempre aconteceu, a pressão era grande na hora de se escolher os melhores. Até o Didi teve a possibilidade de ser barrado por Moacir (Flamengo). A alegação era a falta de interesse demonstrada pelo craque...Ficou famosa a sua frase a Manchete na ocasião: Treino é treino e jogo é jogo O próprio Paulo Machado de Carvalho sofria campanha pelos jornais brasileiros a respeito do seu trabalho... Mário Filho escreveria no Jornal dos Sports que o Brasil da maneira estruturada, não tinha a menor possibilidade de fazer bonito na copa.
Mas o trabalho continuava... Psicólogos, dentistas, médicos, preparador físico fazia o seu trabalho...Assim, ás 17 hs do dia 24 de maio de 1958, a delegação brasileira embarcava pela Panair para os campos da Itália para completar a programação técnica de treinamento.
3- O Brasil no Velho Continente.
O primeiro amistoso foi realizado no dia 29 de maio contra a Fiorentina e em 10 de junho daquele ano, contra a Internationalle de Milão. Como sempre tem acontecido com a equipe brasileira é notória a indefinição da equipe até as vésperas da copa. Assim também o foi naquele ano. Vencendo os dois jogos treinos na Itália, Feola ainda não possuía o time definitivo. Fato inédito... Após o jogo contra a Fiorentina, Feola barrava o jogador Garrincha, substituindo-o por Joel, jogador do Flamengo. Motivo alegado: Driblava muito e jogava um futebol moleque...
Contra a Fiorentina, driblou praticamente toda a defesa italiana, inclusive o goleiro, esperou a chegada de um zagueiro, deu-lhe novo drible e com o gol vazio entrou com bola e tudo...Aplaudido de pé pela torcida italiana, Carlos Nascimento e Feola consideraram a façanha de total irresponsabilidade.
8 de juuho de 1958. O Brasil entra em campo para enfrentar a Áustria sem Garrincha e sem Pelé que ainda não tinha vaga na posição...A seleção brasileira levou a melhor vencendo a Áustria por 3 x 0. O Brasil apresentou a seguinte escalação: Com o esquema 4-2-4, Gilmar, De Sordi, Beline, Orlando e Nilton Santos. Didi e Dino, Joel, Mazolla, Dida e Zagalo. Mais de vinte mil espectadores aplaudiam a seleção de ouro. Gols marcados por Mazzola no 1o tempo e Nilton Santos e Mazzolla, no 2o tempo.
A Inglaterra foi o nosso segundo obstáculo. Feola tira Dida e coloca o atacante Vavá. Mesmo assim, a seleção ainda não havia deslanchado... Resultado sofrido 0 x 0.
Com a União Soviética pela frente, na 3a rodada, a vitória seria importante para a classificação no grupo. A Inglaterra enfrentaria a Áustria e uma simples vitória do English team, desclassificaria o perdedor de Brasil x U. Soviética. Três lideres dentro de campo fizeram com que Feola aceitasse a entrada de Pelé, Zito e Garrincha... A seleção criou nova vida... O futebol moleque, o futebol arte apareceu Na frente com Pelé, Vavá e Garrincha os Soviéticos foram surpreendidos... Ninguém segurava os atacantes brasileiros. No meio de campo, Didi e Zito ditavam a cadência da partida... O resultado de apenas Brasil 2 x U. Soviética 0, não mostrou o que tinha sido o jogo...A imprensa européia não mediu elogios ao futebol descontraído apresentado pelo Brasil. O nome de Garrincha apareceria nos jornais como o grande demolidor das defesas adversárias. Passou a ser filmado de todas as maneiras pelos adversários... Nada o impedia de passar por onde todos sabiam que iria acontecer...Era um show à parte...
Classificado para as Quartas de final, no dia 19 de junho, na cidade de Gotemburgo, enfrentaria o Pais de Gales. Usando a tática de retranca e jogar nos contra-ataques, a seleção gaulesa travou o ataque nacional não conseguindo impedir que o menino Pelé com apenas 17 anos, marcasse o único tento da partida. Brasil 1 x Pais de Gales 0. Tento este que viria lhe dar confiança para as demais partidas e conseguir lugar definitivo na seleção.
5)      As Finais – Brasil Campeão.
A semifinal viria a acontecer no dia 24 de junho na cidade de Estocolmo contra a seleção francesa Aos 2 minutos iniciais, Vavá abre a contagem e Fontaine, empata aos 9 minutos. Pela primeira vez em toda a Copa, Gilmar era vazado...Didi coloca o Brasil em vantagem e o tempo inicial dava a seleção à vitória parcial por 2 x 1. No tempo final, Pelé assinalaria mais três gols contra mais um de Piantoni. Inacreditável... A FIFA sempre vem pecando com o sistema de arbitragem...A imprensa brasileira caiu em cima publicando:  " Mesmo roubados, vencemos por 5 x 2". O nome do árbitro,o  gaulês Griffiths.
Estávamos na final. Brasil e Suécia entravam em campo no dia 29 de junho de 1958 para o jogo decisivo da copa.
A chuva acontecida horas antes deixava o campo pesado, próprio para os suecos e dificultoso para o Brasil apresentar o seu futebol leve e descontraído. O árbitro Guigue dá início ao combate...Expectativa enorme... O Brasil enfrentaria os donos da casa. Com o sistema 4-2-4 e a Suécia com 4-3-3 O time do Brasil:  Gilmar, Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nilton Santos. Zito e Didi. Garrincha, Pelé, Vavá e Zagalo. Com o 12o jogador a seu favor, a Suécia marcava aos 5 minutos. Delírio total. Seria o final para nós do Brasil. Segundo os negativos da imprensa, o Brasil não sabia decidir finais de campeonato.
Com jogadores maestros na regência das jogadas, o Brasil começou a dominar o meio de campo. Aos 9 minutos, o endiabrado Garrincha passa por dois defensores suecos e cruza para Vavá igualar o marcador. Silêncio total entre milhares de suecos...O caminho, o ponteiro brasileiro havia descoberto. Novamente, por ali mesmo, aos 32 minutos em jogada igual, a bola é cruzada por Garrincha encontrando o tanque Vavá para colocar o Brasil na frente do marcador. A Suécia ameaça, mas a defesa brasileira com Djalma Santos e Nilton Santos anulava os ponteiros suecos.
O Segundo Tempo tem início e o Brasil parecia disposto a não entregar a copa...Aos 10 minutos, Pelé num lençól memorável nos dois zagueiros consolidaria de vez a posse da copa.Os suecos não resistiram a façanha de Pelé... Aplaudiram de pé o menino brasileiro.A Suécia já batida, nada mais poderia fazer... Aos 32 minutos, Zagalo não perde a oportunidade e faz o seu. E quase no final da partida, faltando poucos segundos para o seu término ainda Pelé de cabeça colocaria o Brasil no lugar mais alto do podium da Suécia.
O mundo aplaudiu...Era a vitória do futebol moleque, futebol descontraído, futebol show, futebol arte...Pelé era escolhido como a revelação da copa e agraciado com medalha russa. Pelé assombrara o mundo...São de Raymond Kopa da seleção francesa as palavras: Pelé fará com que os brasileiros esqueçam todos os seus ídolos de até então O rei Gustavo Adolfo que havia cumprimentado no inicio da partida todos os jogadores, retornava ao gramado para cumprimentar a cada um da equipe campeão do mundo.Quebrando o protocolo foi alvo de simpatia e há um relato sobre Garrincha.que ao ser cumprimentado pelo rei, assim falou?Oi! meu chapa, tudo bem?
Estamos as vésperas de disputar com a Alemanha, a final da Copa do Mundo de 2002. Que o exemplo da Equipe Campeã de 1958 sirva de inspiração para nova conquista, a do Penta Campeonato.
 
                
 
 
 
 
Tino
Enviado por Tino em 13/10/2005
Código do texto: T59281
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tino
Fortaleza - Ceará - Brasil, 89 anos
34 textos (5229 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:14)