Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A filha que não veio




Quando o interfone tocou, interrompendo minha leitura de Abusado, fiquei chateada. Quem viria me tirar daquelas páginas que eu devorava avidamente?
Atendi o interfone, e surpresa ouvi a voz de Sebastiana. O que ela viria me dizer? Há mais de dez anos não a via. Pedi que subisse.
Ao abrir a porta, ela me abraçou e começou a chorar emocionada. A filha mais nova, Leilane, a acompanhava.
Voltei no tempo.
Sebastiana era mulher do zelador aqui do prédio e tinha um filho após outro. Quando Marilene estava com quatro meses, ela bateu à minha porta desesperada. Estava grávida novamente e queria abortar. Eu disse que não o fizesse. Ela respondeu que já tinha quatro filhos e mal podia se sustentar. Falei que ficaria com o bebê quando nascesse. Então, exultou e pediu que eu arrumasse a ligadura de trompas. Prometi que conseguiria.
Tarde da noite, voltou à minha porta dizendo que o marido, que mal dava dinheiro para alimentar os filhos, dissera que não daria o bebê, pois não era cachorro. Achei o fato bizarro, já que ele gastava muito com um carro velho — tinha que ter sempre dinheiro para a gasolina, enquanto para as crianças faltava leite. Eu e a vizinhança ajudávamos no que podíamos.
Quando Leilane nasceu, eu a olhava imaginando a vida que poderia ter comigo, e Sebastiana lamentava a pobreza em que viviam. Queria um futuro melhor para os filhos. Chorava ao ver a oportunidade perdida de Leilane.
Eles acabaram saindo do prédio. Ainda ajudei por algum tempo. Via as crianças, Leilane crescendo... Eu perguntava: "Sebastiana, agora você não teria coragem de me dar a Leilane, não?" Ela respondia: "Para você, eu daria sim, minha linda!" Agora ela já não corria o risco de engravidar. Sebastiana era pessoa firme e agradecida. Digna, na sua pobreza.
Após tanto tempo, eu estava com Sebastiana e Leilane. A moça com 18 anos. A mãe já havia contado a ela toda a história.
Olho e digo: "Leilane, foi muito melhor você ter ficado com sua mãe, ela é uma guerreira, e você ficou uma linda moça!" Ela me olhou, observando tudo ao redor, sorriu, e nada disse.
Penso no que rolou pela cabecinha dela naquele momento.
Quando virou para ir embora, observei uma tatuagem nas suas costas e ainda disse: "Menina, olhe como parecemos. Tenho uma tatuagem no mesmo lugar, só que a minha é uma borboleta e a sua, uma flor! Somos parecidas, hein?"
E caímos na risada!
É... podia mesmo ser minha filha! Tem exatamente o meu jeito de ser.
Destino é destino. E o meu foi o de não ter um bebê para acalentar, o que não me impediu que muitos aparecessem para eu amar!

 
belvedere
Enviado por belvedere em 16/10/2005
Código do texto: T60351

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto de Belvedere Bruno). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
belvedere
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
220 textos (73246 leituras)
5 e-livros (1070 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:23)
belvedere

Site do Escritor