Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cose della vita

Boa noite meus 23 fiéis leitores e demais 36 que de quando em vez vem por aqui comer uma pizza literária. Pizza é um prato, sabemos, da culiária italiana, uma das boas coisas da vida. "Cose della vita", como aquela canção muito legal do Eros Ramazzotti, cantor, igualmente, da "Velha Bota".

Dizem, pejorativamente, que as coisas acabam em pizza quando não dão em nada. Injustiça com as pizzas, que são maravilhosas. Acabar em pizza é acabar bem, refuto esse senso comum negativo! Mas eu estou falando de pizza porque conversava com minha colega de serviço Marina durante o almoço. E a conversa não tinha nada a ver com as pizzas, e sim com as "cose della vita".

Ela dizendo:
- Tunico, vivi ao contrário!
- Como assim, Nina?
- Dos meus 12 aos 32 anos, vivi muito, aproveitei a vida, curti demais, junto com minhas amigas. Minha mãe e meu pai ganhavam bem, levei oito anos na faculdade, pois fazia poucas cadeiras, em virtude das baladas e das viagens. Daí aos 32 acordei pra vida e resolvi entrar firme no mercado de trabalho. Agora, vou trabalhar na velhice, ao contrário dos outros, que começam cedo e se aposentam lá pelos 50, aproveitando a vida na velhice. Comigo, logo, será uma vida ao contrário.
- Sei lá, Nina. O lance é que tu teve condições de aproveitar a vida e viveu, foi uma escolha e uma possibilidade. Quando se é jovem a saúde permite a curtição. Somos novos e belos. Não diria que tu fez ao contrário, mas sim que tu fez diferente da maioria e que, na verdade, muita gente tem inveja de quem teve essa oportunidade que tu teve e aproveitou. Tu te arrepende?
- Ah, não, isso não. Foi muito bom. Eu aproveitei muito a minha juventude!
- Isso é que importa.

Depois do almoço, fui tomar um café na sala do Osmar, antes do horário de retorno ao batente.
- O mar está de ressaca lá na praia em que eu tenho casa, Tunico.
- É mesmo? Inundou a tua casa? Teu pátio?
- Não, eu moro a três quarteirões da praia, num terreno alto.
- Tu vai seguido pra lá, né?
- Vou. Saio sexta de noite e volto só na segunda de manhã. É legal. Tenho toda a infra lá, é muito aconchegante e o clima de praia é difrente do daqui, eu fico tri relaxado.

Dois pequenos exemplos de vida cotidiana bem curtida, de escolhas de vida feitas, gostosas como uma pizza no almoço e um café depois. Coisas da vida. Boas coisas da vida. Como disse o também italiano Roberto Benigni: A vida e bela.


------


Era isso pessoal. Toda sexta, às 17h19min, estarei aqui no RL com uma nova crônica. Abraço a todos.


Mais textos em:
http://charkycity.blogspot.com

(Não sei porque eu ainda coloco o link desse blog, eu perdi a senha e não atualizo ele há séculos. Até eu descobrir o motivo pelo qual continuo divulgando esse link, vou mantê-lo. Na dúvida, não ultrapasse, né. Acho que continuarei seguindo o conselho que a Giustina deu num comentário em 23 de outubro de 2013: "23/10/2013 00:18 - Giustina
Oi, Antônio! Como hoje não é mais aquele hoje, acredito que não estejas mais chateado... rsrrs! Quanto ao teu blog, sugiro que continues a divulgá-lo, afinal, numa dessas tu lembras tua senha... Grande abraço".)
Antônio Bacamarte
Enviado por Antônio Bacamarte em 11/08/2017
Reeditado em 11/08/2017
Código do texto: T6081056
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Bacamarte
Groenlândia, 52 anos
325 textos (13430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 18:00)
Antônio Bacamarte