Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


                                      Armadas e armados desarmados

       Dizem "os tempos mudam", mas estou convencido de que somos nós que mudamos no tempo; ele continua tal e qual como o das nossas lembranças. Lembro-me que, aos cinco anos, para dormir, meu pai fazia eu repetir palavra por palavra do Pai Nosso; depois do "amém", pedia-lhe a bênção e ele solenemente respondia-me: "Deus te abençoe , meu filho"; o que revivo, com o neto Lucas , com dois anos de idade, pedindo essa graça quando encontra o avô. Logo após abençoar-me, meu pai me embrulhava no lençol, dos pés à cabeça. Confesso que não acreditava muito na proteção daquela benção: Tinha medo que o ladrão destelhasse o quarto, exatamente no pequeno buraco por onde passava a luz da Lua, e pulasse no chão.
       Naqueles tempos, ladrão só entrava nas casas por dois lugares: Ou pelo telhado, ou arrombando a porta da cozinha. Por isso, ainda hoje, Josimar escora as portas da APL com cadeiras e caçarolas, na esperança de que eventual malfeitor, ao tentar roubar nosso modesto patrimônio, acorde o mole e indefeso vigilante. Também, ao acordá-lo,  daria no mesmo... Durante minha infância, os ladrões eram temidos e não usavam revólver; de quem roubar a arma, antes do crime? Nem existia, de brinquedo, a máuser, como a inventada pelos alemães, para simular ameaça. Também sucedia, como a rica tia de Zelma, Dona Mosa: Tinha um trinta-e-oito em cima do guarda-roupa e as balas, perdidas, talvez numa das panelas de barro, guardadas na despensa. Era armada desarmada...
       Melhor fazia seu Olimpio de Itabaiana: Armava-se com bombas chilenas, sobras das festas juninas, para espantar possíveis gatunos nas escuras madrugadas. Há o macho: "Armado desarmado" que defende a industrialização, o livre comércio e o uso de arma de fogo, enchendo a boca:"como nos Estados Unidos"; mas, lento e frouxo, na hora 'h', no momento de agir, "bate catulé" como bala de fabricação caseira; e termina com o cano do revólver do rápido e corajoso ladrão no ouvido, gritando: "Vai! Ou dá ou morre"...         
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 13/10/2017
Reeditado em 13/10/2017
Código do texto: T6141125
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Damião Ramos Cavalcanti
João Pessoa - Paraíba - Brasil
580 textos (68289 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 22:27)
Damião Ramos Cavalcanti

Site do Escritor