Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CRÓNICA (vide os rejeitados)




O problema será meu, mas nunca suportei regras,
pelo que trazem de interesse pessoal e, por conseguinte, de parcialidade,
assim como também nunca entendi essa de Elites e Eleitos.
Eu sou do povo e para o povo, e o que escrevo é tão natural como a minha sede,
e entregando-me em suas mãos, rasgado, pisado ou amado,
por cada um desses seres tão peculiares – como à sua condição animal –, sou vida
em mim, assim como na dos que me ouvem, com olhos de dizer nada.

Não sei se sou poeta e tã pouco interessa-me epítetos ou balaústres, não sigo
uma única regra dada à arte de fazer poesia, seja qual for a forma com que esta se vista.
A generosidade humana e a sua intrínseca sabedoria, mede-se pelo bocejo da banalidade
ou pelo choro, ante a incompreensão dum sorriso. Esses e não outros (os que reagem
não os que agem, impregnados de mentiras), são os meus leitores, por quem sigo escrevendo,
tenha eu a capacidade e um pouco da inteligência da multidão, que me cerca passante na rua:

enxovalhada, carente, assassinada por heresias cristãs ou lobbies agressivos, de uma indústria
capitalista, suportada pela máquina de uma propaganda em massa, com laivos de câmaras de gás,
ao som da Quinta de Beethoven ou a Sétima de Bruckner.



Jorge Humberto
(25/12/2003)
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 20/10/2005
Código do texto: T61554
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66675 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:29)
Jorge Humberto