Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O bug

     Observou o relógio.
     A hora estava chegando.  O “bug” seria alarmante e inesquecível. Na padaria do Joaquim, cedo da manhã, havia comentários diante do pão quente.
    - O mundo está se acabando! À zero hora de hoje todos os computadores enlouquecerão!
        Alaíde se persignou retornando com a notícia distorcida.
        - Gente! Um asteróide cairá sobre a terra!  (As crianças  viraram o café). Os computadores se desligarão uma hora antes...  Será um inferno.
        O marido lhe agarrou o braço, firme. Conhecia a mulher e seus exageros. Chegou a dizer que o “bug” transmitia doença venérea. O velho descia as escadas para o desjejum e estava longe das preocupações do mundo. Ligado à flutuação do afeto quente e cósmico dos lençóis, fundamental e essencial. Não era a primeira vez que ouvia falar em fim de mundo e nem seria a última. O “fin de siècle” é sempre desespero. Alguém inventa uma nova moda para liquidação geral. Espécie de “Morumbi Fashion” dos fatos.  Os noticiários apontam novos terremotos, novas enxaquecas, novos dilemas. Como a terra tem acnes surtiam erupções vulcânicas. Pois então o “bug” era café pequeno.
       O avô era um exemplo de alegria e vida.  Arrastava-se até a banca de revistas para comprar um “best-seller”, porém exigia que o vendedor lhe vendesse um “Peter Sellers” porque para ele dava no mesmo.
       O Zé da banca comentava:
       - Vovô o senhor viu?
       - Viu o quê?
       - O “bug” do milênio trocará tudo de lugar.  Na hora de pagar o livro recusava o troco dizendo.
       - A natureza está a seu favor. Fique com o resto. Os computadores do mundo inteiro enlouquecerão quando o relógio bater zero hora. Tic-tac-tic-tac.  Vovô estava avisado.
       Quinze minutos para a meia-noite. Cinco minutos, dois minutos, cinco segundos, meia-noite. Os foguetes começaram a demolir o céu. O velho tempo estava definhando.
       - O que aconteceu?
       - Os meninos se deram conta de que para escrever não precisavam mais de linhas. Foi a única coisa que ocorreu.
            Era o novo século.
           
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 23/08/2007
Reeditado em 30/10/2010
Código do texto: T620306
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61362 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 12:32)
Tércio Ricardo Kneip