Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nunca é tarde pra ver o mar

Nunca é tarde pra ver o mar
© Soaroir Maria de Campos
      23/08/07 – para “Crônicas” do RL

Logo ali na Rua Redentor nº 295, ainda Guanabara, foi que nasci.  Pasmem, mas cheguei muitas vezes a caminhar por aquelas calçadas junto com o meu vizinho que à época já tinha sido afastado da Presidência pelos Estados Unidos, o marechal Eurico Gaspar Dutra (1883-1974). Pena que nunca pedi um autógrafo.
Jardim de Alah, Lagoa Rodrigo de Freitas e o Posto 9 (creio eu, pois não me lembro mais do número) foram partes integrantes de minha vida por muitos e muitos anos.
É saudosismo? Sim, claro que é, afinal,  para mim aquele foi um tempo e tanto. A Escola Municipal Henrique Dodsworth era escola de Ipanema e só gente boa, maioria hoje conhecida, estudava lá; as praias não eram ainda divididas por redutos/tribos. Claro que além de paquerar, o must era pegar jacaré naquelas águas lindas de Ipanema, mergulhar, furar ondas e cada vagalhão que a gente enfrentava... até sentia a coluna oscilar enquanto ela passava. No mais, era escavar a areia e jogar a toalha, e sem nenhuma preocupação com proteção solar, ficar ali torrando até altas horas, quando batia a fome e a turma se juntava, de preferência no Castelinho, quase divisa com Copacabana, para uns chopinhos com tiras de mignon ou piabas fritas e outros “piscativos” quando a grana dava.
Lá pelas tantas, ia chegando a turma da bossa nova, do sambinha, dos pintores e escritores menos conhecidos na época e ali mesmo, numa espécie de laboratório, criavam, representavam e tinham julgadas as suas obras. Às vezes varávamos a noite.
Ao voltar para casa já com o sol raiando e os pescadores recolhendo suas redes, bebia direto do gargalo da garrafa o leite deixado na porta pelo leiteiro e “cama pra que te quero”, até a hora de novamente voltar a ver a praia.
Numa dessas vezes tive uma grata surpresa.
Era uma forma de “aproach” bem diferente das atuais:
- Você tem pernas longas e lindas, não gostaria de ser atleta do/pelo Clube de Regatas do Flamengo?
Bem, aquela provavelmente não devia ser a minha praia, pois jamais me tornei atleta. De qualquer forma a cantada funcionou, até quando ele teve que partir num contingente brasileiro para servir em Suez. E de repente toda a praia mudou, tudo ficou diferente e eu me perdi no horizonte, olhando pela primeira vez o mar e sonhando com o seu navio voltando.

Mais alguns fragmentos em : Um Amor de Suez
http://www.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=193162
ou em: http://www.batalhaosuez.com.br/Poesia16.htm
Soaroir
Enviado por Soaroir em 23/08/2007
Reeditado em 27/08/2007
Código do texto: T620736
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (©Soaroir Maria de Campos em "link para obra original" - "data de publicação no recanto"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Soaroir
São Paulo - São Paulo - Brasil
943 textos (56290 leituras)
5 áudios (986 audições)
16 e-livros (5140 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 02:08)
Soaroir