Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por que escrevo?

Por que escrevo e o que me leva a expor meus escritos? São duas questões diferentes, contudo não opostas. Em primeiro lugar eu penso e tenho minhas opiniões. Sou mulher, cidadã, mãe, filha, amante, amada, trabalhadora e leitora. Condições que me levam a formar opiniões, tecer comentários, fazer meus julgamentos sobre as questões inerentes à humanidade e suas manifestações.
Não sou especialista em nada. Sou simplesmente uma observadora da vida e me dou o direito de expor as minhas impressões. Não são sentenças. Não são definitivas. Estão longe da perfeição. Mas sinto-me no direito de falar, como se tivesse numa roda de amigos dando meus pitacos. Portanto, não me levem a sério, mas também não me censurem.
Escrevo também sobre sentimentos. Os meus e os de outras personagens. Claro que conheço melhor as minhas emoções e mesmo que não as entenda bem - talvez até por isso - gosto de falar do que sinto. Aliás, tenho necessidade de falar de minhas dores, dos meus medos, dos meus amores, de minhas alegrias.
A propósito, decidi comprar um livro que adoro, após ler seu primeiro parágrafo. Kathryn Davis, inicia seu romance "Versalhes, O Refúgio da Ùltima Rainha" com as seguintes palavras “Minha alma está saindo de viagem. Quero falar sobre ela. Quero falar sobre ela. Por que alguém jamais desejaria falar sobre outra coisa qualquer?" A alma em questão seria da pequena Maria Antonieta, aos 14 anos, quando saía da Áustria para casar com o Delfim francês. Eu, no entanto,achei que essa frase poderia ser de qualquer pessoa. Minha, por exemplo, que gosto tanto de falar de minha alma, de minhas sensações.
Porém, para escrever e publicar tive que alcançar um certo nível de humildade. Não se enganem, se eu continuasse me achando boa eu continuaria rasgando meus rabiscos antes de uma segunda leitura. Tive que me permitir errar, para começar. Não me arrependo e continuo errando, graças a Deus!
Por isso escrevo. Por necessidade e por prazer. E falando em humildade peço licença para deixar a grande Clarice Lispector falar por mim, quando ela justificou a sua atividade literária ( por favor, não estou me comparando a escritora. Sou de fato uma amadora). Pois bem, assim se expressou Clarice:
 “Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."
Pois é, escrevo com essa “humilde pretensão” de desabrochar alguma coisa. E se algum leitor também desbrochar com o que falo, completo, então, meu processo de redação.
Evelyne Furtado. 22 de agosto de 2007.

Texto publicado na Gazeta do Oeste
e no Blog Meu Universo em Prosa e Poesia.
www.evelynefurtado.blogspot.coM
Publicado posteriormente (13/09) no PORTAL COMUNIQUE-SE, o maior portal de Comunicadores.
Evelyne Furtado
Enviado por Evelyne Furtado em 23/08/2007
Reeditado em 27/09/2007
Código do texto: T621088

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Evelyne Furtado
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
974 textos (121259 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 12:39)
Evelyne Furtado