Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma caminhada diferente

A morte me parece uma coisa complicada, ela está sempre rondando a nossa porta: aproxima, afasta, nos assusta e depois vai embora. Raramente chega de vez, nos pega desprevenido. O mais engraçado é que não conhecemos suas feições e, ainda assim, não gostamos dela.

O cemitério é um dos meus lugares preferidos para caminhadas, sempre que posso, vou por lá fazer exercícios por entre as diversas ruas e capelas. O silêncio parece mórbido, mas não é nada disso. Se ficarmos ali, quietos, ouvimos as vozes dos mortos, ouvimos os seus ensinamentos e até suas alegrias. O grande problema é que nos acostumamos a ir ao cemitério apenas no feriado do Dia de Finados ou em datas especiais. Esta não é uma boa política. Nestes dias estamos muito sensíveis, contaminados pelos acontecimentos, levados a fatos passados.

É estranho ver as pessoas cuidarem de seus mortos, de suas covas, de suas lembranças. Cada um tem um comportamento diferente do outro. Uns choram, outros permanecem calados, outros ficam andando de um lado para outro, como baratas tontas. Às vezes vemos duas viúvas chorando pelo mesmo morto. Isto é muito constrangedor.

Nessas caminhadas, às vezes fico divagando, tentando encontrar respostas para tantas mortes. A maioria das pessoas morre de verdade, não deixam nada para trás, são enterradas sem dó nem piedade. Em verdade, são esquecidas assim que são colocadas dentro da vala.

Sócrates não quis defender-se diante dos juízes e da justiça humana, recusou a humilhação. Sabia que o extermínio do seu corpo não era nada relevante, aceitou a sentença de morte decretada pela minoria. Ele conhecia o juízo eterno da razão, assim como os caminhos para a Imortalidade.

__ Meu Deus, vamos desenterrar os que ainda estão vivos!
Pedro Cardoso DF
Enviado por Pedro Cardoso DF em 24/08/2007
Código do texto: T621371
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Cardoso DF
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 69 anos
4452 textos (97421 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 19:57)
Pedro Cardoso DF