Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Olhos de Penitência

Para alguem cujos olhos ainda me prendem, por mais que eu queira me soltar.

O que faço para poder suportar esses olhos... Esses olhos que queimam minha alma...
Pois não é justo sofrer por um simples olhar...
Não é justo sofrer pela solidão de te amar.
Não é justo ter que sentir a frieza do teu olhar...

Esses olhos que tocam a minha alma, que expulsam meu espírito de meu corpo...
Tento fugir, mas esses olhos me seguram, me limitam, me destroem.
Corroem por dentro toda a essência de meu ser, deixando apenas uma carcaça vazia.
Esses olhos que me congelam no tempo, e é inútil tentar escapar.

Esses olhos brilhantes, que acabam com o brilho dos meus.
Essa voz feliz que destrói minha felicidade.
E tento, tento, mas não consigo escapar.
Quero escapar, não vê que quero escapar?

Quero correr, quero viver, quero existir!
Mas perdi minha existência e minha vida.
Alias, me perdi em minha própria existência...
E hoje, tento apenas voltar... mas, será que é seguro voltar?

Chega a ser patético o modo como teus olhos me fitaram pela ultima vez.
Ainda que, se fosse a ultima vez, ainda poderia estar livre...
Mas não, eles tem que me prender e me fazer sofrer...
O que faço para fugir desses olhos de penitencia que me cercam?

Me liberte dessa penitencia que tenho que sofrer dia após dia...
Me liberte dessa penitencia que me corrói a alma dia após dia...
Me liberte dessa penitencia que é viver uma vida sem sentido...
Dê-me a liberdade, ou até isso você tirará de mim?

Não posso voltar no tempo antes de tudo isso acontecer...
Mas se pudesse, voltaria apenas para tentar entender...
Onde e quando esses olhos de penitencia surgiram e me prenderam;
Pois é duro sofrer amarrado, sufocado pela solidão de te amar.

Foi um erro então? Foi tudo em vão?
Então, pela primeira vez, devo admitir que falhei?
Devo dizer que fracassei e acabar com minha ilusão de ser perfeito?
Devo voltar para a realidade de ser apenas um reles mortal?

Estou apenas, hoje, a procura da liberdade, para poder respirar de novo, mais uma vez.
E enfim, escapar desses olhos de penitencia.
Digo, hoje, deixo de te amar, e tentarei me libertar.
Olhos de penitencia, conheça a força de meu ser!

Olhos de penitencia...peço perdão por fracassar.
Mas, olhos de penitencia, não peço perdão, por um dia te amar.
Olhos de penitencia, cegamente irá me desculpar.
Pois, olhos de penitencia, isso enfim, terá que acabar.

Olhos de penitencia, queira me desculpar por não ser aquilo que eu prometi.
As palavras que foram ditas, olhos de penitencia, não poderei repeti-las.
As promessas que foram feitas, não serão cumpridas.
Só assim talvez poderei respirar de novo...

Olhos de penitencia, me perdoe, mas não posso continuar!
Olhos de penitencia que me prendem, isso terá de acabar!
Olhos de penitencia, se viver uma farsa me libertará...
Então que venha, pois terei então que te odiar.

                                             Leirbag Beouve  12/6/07
Gabriel Prado
Enviado por Gabriel Prado em 25/08/2007
Código do texto: T622585
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gabriel Prado
Santo André - São Paulo - Brasil, 26 anos
49 textos (2408 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 01:13)