Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O QUE NA REALIDADE É A GUERRA


A cada vez que se fala em guerra, o primeiro
pensamento que nos chega é:
FAÇA AMOR, NÃO FAÇA GUERRA...

O QUE NA REALIDADE É A GUERRA
Marcial Salaverry
 
Sempre se discutiu muito sobre a guerra, ou melhor, sobre as guerras, sem que se pudesse chegar a uma conclusão conclusiva sobre seus comos e porquês.  Nunca se soube quais as reais causas.
Voltando na História do Mundo, é fácil chegar-se à conclusão de que em todas as guerras havidas, não se conseguirá analisar o real porque dela ter começado.
Antigamente, guerreava-se muito por questões religiosas.  Mas o fator religioso era mero subterfúgio.  O real motivo sempre foi a ambição exacerbada de alguém, com o desejo de dominar outros povos , e talvez o mundo.
Houve muitos tiranos que assumiram abertamente que seu único desejo era submeter a seu jugo todos os povos.  Seu sonho delirante era dominar o mundo.  Esses pelo menos foram coerentes, assumiram perante a História que o real motivo que os levou à guerra, era assumir a liderança mundial sem restrições.  Mesmo que apenas reinasse sobre ruínas.  Mas seria ele o “Dono do Mundo”.  Embora destruído, mas seria o “seu mundo”.
Agora esses mesmos motivos ficam ocultos sob a pretensa alegação de devolver a liberdade, ou de eliminar dissensões internas... Enfim, sob uma capa de magnanimidade, o mesmo velho e surrado motivo... De dominar.  A ambição do poder.
Sobre a guerra, recebi de L’Inconnu, uma mensagem bem adequada, principalmente analisando bem a realidade das guerras modernas:
A guerra é um massacre entre gente que não se conhece, para proveito de pessoas que se conhecem, mas que não se massacram.
Uma grande verdade, pois os soldados que são enviados para o front, em sua maioria, não sabem o que estão fazendo lá. Apenas que precisam se defender de outros que vão tentar mata-los.  Não sabem quem são seus inimigos.  Apenas sabem que seus chefes disseram que eles precisam ser patriotas.  E que lhes disseram que precisam ser heróis e morrer pela Pátria.
Esqueceram de acrescentar que o verdadeiro heroísmo seria viver pela Pátria, trabalhando pela Paz.  Esqueceram de dizer que são meros “bois de piranha”, para permitir que alguns líderes liberem sua sanha.  Sempre ficando patente que o único beneficiado será o ego monstruoso dessas “personalidades”, e, principalmente a indústria de armamentos que a cada guerra,  a cada revolução, ou a cada mera rebelião interna, sempre fatura milhões.
São as pessoas que “se conhecem, mas que não se massacram”...  Limitam-se a fazer pronunciamentos, incitando os bois... digo, os soldados a se digladiarem, “em nome da Pátria”.  Tá bom... “Me engana que eu gosto”.
A maneira correta de se definir a coisa, era fazer com que os interessados fossem resolver no velho esquema do duelo pessoal quem é o “maioral”, ao invés de sacrificar milhões de vidas, apenas para satisfazer suas vaidades pessoais, e os bolsos dos interessados.
Não seria a melhor maneira?
E assim, quem sabe o mundo poderia ter, UM LINDO DIA.
 
Marcial Salaverry
Enviado por Marcial Salaverry em 01/09/2007
Código do texto: T633510
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcial Salaverry
Santos - São Paulo - Brasil, 78 anos
20982 textos (2072576 leituras)
3 áudios (888 audições)
6 e-livros (2159 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 03:39)
Marcial Salaverry