Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A evolução que o celular propõe


Esses dias eu vi uma mulher no maior bate papo. Isso seria normal, se não fosse o fato de não estar acompanhada. Observei a sena hilária e antes que vocês maldosos a adjetive como doida, percebi que ela, na verdade, estava ao celular. Desses pequeninos, e põe pequeno nisso, tão pequeno que sua orelha segurava e o cabelo escondia.

Daí eu lembrei de um hábito meu. O de conversar sozinho. Desde criança venho aperfeiçoando técnicas para que o povão não percebesse que eu falo sozinho. E isso, só por isso na verdade, por que não quero ser tachado na rua como doido. Quando criança, recebi um apelido carinho por causa da minha falação: Leléu. Como sou discreto, e não dou bola às falácias, o apelido não pegou. Mesmo assim me controlo ao máximo nas ruas.

Até então só conversava sozinho em casa, em geral quando ninguém estava por perto e quando as janelas estavam estrategicamente fechadas. Admito que, conversar sozinho seja uma terapia e tanto. Mas, ao mesmo tempo, hilário. Ver aquela mulher morena e bonita conversar “sozinha”, era um teste de alto controle emocional. Mesmo sendo vítima desse vício, queria rir ao máximo.

Com o advento do celular “pequeno”, não precisarei mais me controlar para não conversar sozinho. É só colocar o aparelho e pronto. Quem disse que tem que ter alguém do outro lado da linha? Ninguém poderá argüir!

Não tem dinheiro para comprar um celular do tamanho de um brinco? Vá a alguma praça de moambas do Paraguai, toda cidade com mais de trinta mil habitantes tem uma, compre um fone de R$ 1,99, tem que ser do fone grande e que prende no ouvido. Corte o fio e pronto! Já tens algo parecido com um celular. É só sair por aí e conversar sozinho a vontade. Caso apareço algum pentelho pedindo o celular emprestado mande-o, carinhosamente, se catar.
João Áquila
Enviado por João Áquila em 01/09/2007
Código do texto: T634011
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Áquila
Aracaju - Sergipe - Brasil, 33 anos
142 textos (33093 leituras)
1 áudios (113 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 10:21)
João Áquila