Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Corrupção, Destino ou Opção?


Quando caminhamos no tema "corrupção" amparados em nossa limitada racionalidade e na pobreza da lógica empírica corremos realmente o risco de sofrer de desanimo crônico quanto ao futuro da humanidade, tal é a certeza que nos acomete sobre a fragilidade moral da consciência humana e a sua facilidade em moldar seu julgamento a sua conveniência (travestida freqüentemente de necessidade).
          Mesmo convocando em nosso auxilio cientistas políticos e mestres no pensamento analítico não conseguimos nos desvencilhar desta armadilha que é correr atrás do próprio rabo e que a complexidade de nossos argumentos tentam em vão disfarçar. Esta discussão gira viciosamente sem chegar a lugar nenhum.
         A conclusão obvia que podemos chegar como resultado desta lógica nanica e desta esquálida racionalidade é de que a corrupção é uma questão de oportunidade e necessidade. Isto corresponderia de certa forma a dizer que cada homem tem seu preço e a seu momento todos nós cederemos, atraídos pelo "canto da sereia" ou seduzidos pelo "bezerro de ouro" como imposição irrecorrível da nossa natureza trapaceira.
         No que se refere ao ser humano mediano isto pode representar o escancaramento de uma verdade assustadora, mas inquestionável que pode ser facilmente constatada. Quantos de nós poderíamos, como mero exemplo, reconhecer honestamente com nossos travesseiros que, diante da oportunidade de alguma carteira perdida (com identidade dentro), não cederíamos à tentação de nos apossarmos de bens alheios com o argumento de que "achado não é roubado?"
          Se de um lado somos, de certa forma, rendidos por tais argumentos e preparados para saltarmos com determinação no próximo cavalo arriado que passar ao nosso alcance mesmo que ele esteja a galope fora de sua pista legal e moral, não podemos prescindir, em nossas analises filosóficas de outros ingredientes, até por desencargo de consciência.
          A este respeito, inquiri de certa feita a um amigo, que se dizia um ateu convicto, sobre a educação de princípios cristãos que ele, de forma intransigente, impunha à sua filha. Ele me respondeu: "por via das duvidas".
          Assim é que antes de cairmos de boca no mel da corrupção devidamente desprovidos de freios morais e éticos (já que, segundo alguns donos da certeza, é da nossa natureza animal), precisamos antes buscar, até por via das dúvidas, novas referências com aqueles personagens da história da humanidade (muitos deles ainda estão entre nós) que são, numa isenta análise, as reses que se desgarram da manada para nos ditar novos rumos e puxar a evolução da consciência humana.
          Mesmo sabendo que errar é humano, não podemos admitir que em função disto devamos errar de forma corriqueira, rotineira, à vontade e com todas as velas de nossos vícios desfraldadas a favor dos ventos das oportunidades e necessidades.
 Mesmo e principalmente quando cedemos ao erro por imposição de nossa baixa natureza, devemos, via das dúvidas, manter uma pulga atrás da orelha, nos picando quanto às conseqüências futuras e definitivas de nossas rendições. Isto é claro, para quem acredita em outros planos da evolução e acha que a vida que vivemos neste planeta é apenas um tênue sopro diante da eternidade.

João Drummond

 
 

João Drummond
Enviado por João Drummond em 09/09/2007
Código do texto: T645417
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Drummond
Sete Lagoas - Minas Gerais - Brasil, 64 anos
177 textos (34118 leituras)
3 áudios (321 audições)
3 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 03:49)
João Drummond