Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Guarda a faca, doutor!


Operar. É. Foi assim, num susto, de repente, que o doutor deu o veredicto.

Certo que a dor já incomodava há vários meses, comecei a sentir aquele incômodo num esforço durante a ginástica. De lá para cá, foi seguir a recomendação que já faz parte do universo moderno: dieta. Mas que dieta dá resultado em alguém indisciplinado? Só comendo como passarinho. E como eu gostaria de ser como essas criaturas com asinhas, capazes de voar, voar, voar! Será que comem pouco mesmo? No mínimo, o necessário.

O necessário. Eis aí o ponto de equilíbrio, o tão almejado caminho do meio, preconizado pelos sábios. Para uma pobre mortal, o jeito foi mesmo entrar na faca. E os poucos dias de intervalo entre a sentença e o seu cumprimento decorreram com preparativos de todo tipo: exames (aproveitei e coloquei em dia as consultas de rotina), contas a pagar, compras de supermercado.

Pensei até em fazer um testamento gravado no PC. É, a gente pensa em facilitar as coisas, no caso de um imprevisto, alguma emergência. Não que existam muitos bens a serem inventariados, mas encontrar um papel nos guardados do meu jeito seria tarefa árdua para o meu filho, avesso a coisas domésticas. É coisa muito simples, não fique nervosa, diziam todos. Não para quem é alérgico a quase tudo que a medicina usa.

Cadê aquele papel que a alergista deu recomendando para tirar mil cópias e deixar uma com cada médico que eu consultasse? Revirar a papelada, abrir cada folha dobrada e nada. Repetir não sei quantas vezes o mesmo procedimento, porque o bendito do papel só poderia estar no meio desses livrinhos do convênio, misturado a receitas, recibos. Ah! Como eu invejo gente organizada, tudo em pastinhas identificadas com etiquetas. Nessas horas apela-se para o sobrenatural. Que ajudem a encontrar o papel. Dar uma volta. Respirar. Começar tudo de novo. Abrir cada papel dobrado. Eureka! É este. O papel é branco e eu tinha certeza que era amarelo. Por isso não botava fé nas dezenas de papéis brancos dobrados. Guardar tudo. Xerocar o bendito papel. Ai meu Deus, cadê o bendito papel? Misturou. Procurar tudo de novo. Agora sei que é branco e tenho certeza de que está aqui. Paciência. Foi descuido meu, nervosismo faz isso. Não vou apelar mais uma vez para o sobrenatural. Eles já fizeram a sua parte. Agora é comigo. Obrigada, obrigada, obrigada. Agradecer e não reclamar chama bons fluidos. Afinal é uma cirurgia simples. É. Tudo é simples, quando não há complicação. Da última vez precisaram encerrar em caráter de emergência. A respiração não respondia. Dessa vez esse papel com as recomendações da alergista será fundamental. Eu dependo dele. Achei. Vou centralizar tudo nessa bolsa azul. Todas as providências estarão nessa bolsa azul, ganha numa feira de souvenires. Minhas amigas deploram as coisas que eu uso. Nada de grife. Mas funciona para mim.

Véspera da cirurgia, buscar os exames. Tive que refazer o ultra-som de mama duas vezes. É sempre assim. Espero que dessa vez esteja tudo certo também. No momento, pensar na cirurgia. Dez cópias do papel. Um para o cirurgião, um para a anestesista, um para a recepção, um para cada enfermeira que aparecer, vários nas mãos do meu filho que panfletou para quem apareceu na sua frente, até para o recolhedor de lixo do hospital. Este olhou para ele e disse: “Eu só recolho o lixo, entrega na enfermaria”. Enquanto isso, eu, no centro cirúrgico. Apagada por algumas horas. Insisti com a anestesista para que me deixasse lúcida, para eu controlar a respiração, avisar se alguma coisa estivesse dando errado. Não teve jeito. Acordei já no quarto e depois pude avaliar o gesto de alivio do meu filho quando abri os olhos. Deu-me um beijo.

Alguns dias de mordomias, sem fazer nada. Amanhã volto ao médico. Mais uns dias e estarei pronta para voltar à rotina. A empresa em que trabalhei ligou, não compareci ao censo anual.  Meu filho já vaticinou: “Mãe, isso de eu lavar louça vai durar só até você receber alta”. Minha irmã também ligou, a família precisa reunir-se  para resolver um problema. A rotina está chegando, aos poucos.

Unanimidade entre as amigas, que gostam tanto de avaliar a aparência  – o corte ficou bonitinho.  O doutor disse que ia caprichar. Parabéns a ele, fez um bom trabalho, por ora, pode guardar a faca.  É bom agradecer pela vida, viva a rotina!



09/09/2007
Quebra de Rotina
DIANA GONÇALVES
Enviado por DIANA GONÇALVES em 09/09/2007
Código do texto: T645581
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original ((Diana Gonçalves - pseudônimo) http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=1908). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
DIANA GONÇALVES
São Paulo - São Paulo - Brasil
663 textos (770279 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 01:07)
DIANA GONÇALVES