Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

           

            Tempos

 

            Carrego em meus ombros a nostalgia de tempos outros que se perdem na memória dos séculos. Sou o produto final de milhares de anos de uma geração incerta. Desfilam na minha presença, nos delírios e devaneios em noites quentes e secas, os muitos vultos de minha ancestralidade memorial.

            Não sou membro de nenhuma casta nobre.

            Perambulo no mundo, tal qual um vadio cão.

            Sobrenome sem brasão.

            Tenho no rosto as marcas de minhas aventuras.

            Os cabelos negros ameaçam abandonar o pelotão e os que não ficam brancos, caem pelos trilhos e encruzilhadas.

            Sou um bufão.

            Criei uma pequena família, que se farta em uma mesa na sala.

            Desejei ter mil sonhos, quando na fase em que eu ainda acreditava.

            Sou agora um cínico,

            Um tonto,

            Um ébrio que se afoga nos pesares dos próprios pensamentos.

            Resta ainda um pouco de alegria,

            Um quê de nostalgia,

            Um toque de magia.

            Não sei o que escrevo, se crônica ou poema – que texto é esse? Que sou eu?

            Talvez seja um testamento vivo,

            Uma marca,

            Como a que os amantes fazem nas árvores sem respeito ao ambiente.

            Cravei na poeira o meu selo.

            Em meio à praça pública, de terno, gravata, cercado por uma multidão de estranhos vultos, eu berro, grito e me ajoelho diante de uma nuvem de pó cinzenta.

            Caio de joelhos e sinto que a multidão se afasta.

            Olhares me fuzilam no auge da insanidade.

            Choro e rezo, como quando criança, no silêncio do meu pequeno quarto entre os brinquedos e quadros sorridentes de vultos felizes.

            Sinto, naquele momento, uma grande paz de espírito.

            A multidão, cansada de minha dor, segue adiante. Quase me pisam.

            Caio em riso e olho para o céu.

            No meio das nuvens posso ver descer um raio de luz que me abate.

            Sinto-me leve e desprendido do corpo.

            Ficou a pasta que alguém levou.

            A família recebe o telefonema: partiu o coração.

            Ainda assisto ao funeral.

            Não fico triste, não choro por mim.

            Foi então que ouvi os sinos que dobravam e,

            Realmente atestei:

            Os sinos dobram por mim...

 

 

Jurandir Araguaia
Enviado por Jurandir Araguaia em 11/09/2007
Reeditado em 11/09/2007
Código do texto: T647668
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jurandir Araguaia é escritor goiano e publica regularmente no sítio:http://www.jurandiraraguaia.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jurandir Araguaia
Goiânia - Goiás - Brasil
913 textos (83939 leituras)
6 áudios (93 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 23:15)
Jurandir Araguaia