Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Morte de humorista no noticiário

   O humorista Cláudio Besserman Vianna, Bussunda, faleceu em Pandorf, Alemanha aos quarenta e três anos de idade em plena Copa do Mundo. Véspera do esperado jogo Brasil e Austrália.  Era integrante do Casseta & Planeta e imitava o jogador Ronaldinho com exímio talento com aquela alegria reveladora.  Nós humoristas declaramos o nosso luto e nosso minuto de silêncio. Bussunda jogou futebol no campo do hotel um dia antes segundo informações televisivas.  Não se sentiu bem, mas passou.   Jogadores famosos morrem em campo. Há quem acredite na ampliação de crédito para os esportes como a fonte para livrar o mundo do mal.   Somos capazes de rir, podemos dizer que esporte também mata, somos humoristas. Não acreditamos que o mundo será salvo da marginalidade com a construção de ambientes para atletismo em escala geográfica. Mas ajuda já que a educação está longe de ser explorada em primeiro plano. Um professor ganha menos do que um bandeirinha. Existem alcoólatras no alto da idade e homens que morrem cedo da bebida, mas o efeito sobre a ingenuidade é de redenção em grande escala num segmento maior.  Se o Brasil vencesse a Austrália por dez a zero, nós, humoristas, ficaríamos com o misto da ingênua alegria dos esportes, margeando o mundo esfarrapado. Nós temos que rir para fazer rir, e ensinar a nossa singeleza a não ser enganada pelas verdades absolutas: Esporte também liquida. Foi a primeira notícia que assisti no noticiário, logo que acordei da noite fria de extremo sul, esperando melhorar os acontecimentos na área do emprego e renda. Esfreguei os olhos de preguiça dizendo a mim mesmo: O quê? Morreu de coração na copa? Era o Bussunda.  A informação não está preparada para efeitos dúbios como a ternura fria desse tipo de ocorrência com tal dimensão simbólica. Nossa candura pastoril e litorânea prefere a dimensão heróica e homérica das coisas sintetizadas. Grátis ou não da mão que a  sintetiza.  Não conheci Bussunda, mas era como se fosse um amigo distante.   Devolvia aos telespectadores àquela hora infantil da justiça social que o humor representa elevando os homens livres a condição mais alta da liberdade. Seu atletismo. Era um dos excelentes atores da  Rede Globo. Saiu de campo entre um sonho e outro. Fato primeiro na relação entre as artes.
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 11/09/2007
Reeditado em 30/10/2010
Código do texto: T647884
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent.) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61378 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 07:26)
Tércio Ricardo Kneip