Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Cão da madrugada"

 

Minha edição de Cão da madrugada — coletânea de vinte e nove crônicas de Eneida (1904-1971) publicada em 1954 pela antiga Livraria José Olympio Editora — começa na página 19, perdidos os dois primeiros textos, e apanhou tanta chuva e tanto sol no último meio século, que há pouco mais de um mês ocupava a estante JÁ VAI TARDE no sebo do nosso Joãozinho Traça, em Marechal Hermes. Comprei imediatamente o volume e, num gesto de desagravo, criei em minha própria casa a estante QUE BOM QUE VOCÊ CHEGOU para receber a danificada brochura dessa mulher extraordinária.

De fato, a escritora e jornalista paraense-carioca Eneida foi uma lutadora. Quando adoeceu gravemente, em 1966, costumava dizer: "Doença é tão chato quanto cadeia." Só avalia de maneira adequada a força da comparação quem sabe que a deliciosa cronista não parou de ir em cana, por causa de suas idéias políticas, entre 1930 e 1945. Numa dessas vezes, em 1935, foi mandada para a Casa de Correção do Rio de Janeiro, onde se achava Graciliano Ramos. Este não só ficou impressionado com "aquela mulher de voz forte e poderosa", como levou-a também para dentro das páginas de Memórias do cárcere. Vale a pena conferir.

Nos anos mais violentos da Era Vargas declarava-se, com desassombro, "socialista, materialista e atéia". Mas, como a cronista abençoada que era, confessava a religião da gente comum, das coisas do dia-a-dia, dos banhos de cheiro, e sobretudo do carnaval, tendo sido duas vezes enredo da Acadêmicos do Salgueiro (campeã em 1965 com História do carnaval carioca — Eneida, e terceiro lugar em 1973 com Eneida, amor e fantasia). De 1951 até sua morte manteve um "encontro matinal" sagrado com os leitores do Diário de Notícias. O jornal que eu lia era outro, e perdi a ocasião de vê-la em plena atividade.

Até que me sugerissem, em 1967, a leitura de Cão da madrugada, eu só conhecia de Eneida a História do carnaval carioca (1958), assim mesmo apenas de folhear e para trabalho de escola.

Dá inveja o título. "Cão da madrugada". Tão fascinante, que eu me contentaria com a capa, se não tivesse a certeza de encontrar em suas cento e cinqüenta páginas belas lições de escritura e vida. Eneida tem a sensibilidade dos que sabem ouvir o recado da gente simples de sua terra e retransmiti-lo aos leitores com num bate-papo, ou como alguém que nos estivesse enviando uma carta essencial, compartilhando conosco experiências, sacações, visões-de-mundo e gestos de amor.

Comecem pela última crônica, "À praça", onde ela explica por que passou a assinar-se apenas Eneida, sem sobrenomes, mantendo o nome de batismo "solto, limpo, sozinho, meio desafiante". Leiam "Estão matando um homem", lição de alta dignidade política. Visitem "Da morte e da vida em azul" e deliciem-se com a "História rápida de um cão". Simples recomendações, no meio de tanta coisa boa. Quem puder, faça como eu: devore tudo.

 

[12.9.2007]

Luiz Guerra
Enviado por Luiz Guerra em 12/09/2007
Reeditado em 12/09/2007
Código do texto: T649707

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luiz Guerra, www.galhodearruda.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Guerra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 69 anos
166 textos (17314 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 00:42)
Luiz Guerra