Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lá e Lou



Esquisito este silêncio enfadonho do Palácio do Planalto em relação ao julgamento dos mensaleiros pelo STF. Quem saberia o porquê? Qual seria a sua legítima tradução? Ou esse silêncio é barulhento para o nosso são entendimento? Isso é!
Qual a diferença que há entre um médico e um juiz que justifica este ganhar dez vezes mais do que aquele? Não há algo errado nessa disparidade? Quem salva mais vidas dos dois? Para qual dos dois é mais seguido o rigor da prática do trabalho (a rotina diária)? O cumprimento dos plantões e das outras horas de trabalho? Qual dos dois possui direito a maiores  férias?
Por que a Constituição Federal garante-nos a liberdade de direitos em medidas iguais e há tanta gente vivendo às margens da lei, pressionadas pelos poderes físicos e econômicos, aos olhos dos nossos julgadores?
Eu queria apenas saber o porquê de se fazerem tantas leis neste país tão generoso e não as cumprir no cotidiano da lida dos nossos juízes.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Brasil apresenta o número assustador de 27 homicídios por cada 100 mil habitantes, considerando os índices de que 10 por cada 100 mil já são considerados epidêmicos!
E se a gente procura, acha muita coisa mais. Os fatos que evidenciaram a dinheirama subtraída do erário, via Banco Rural, arquitetados pelo senhor Marcos Valério e sua tropa, incluindo nesta até ex-ministros do governo Lula, são, além de fortes, consistentes, para pôr essa turma aí sob a lei e com isso pagar pelo que deve. Espera-se que seja feito isso! Não é possível que o calhamaço de provas costurado pelo Procurador da República não confira densidade para a abertura de processos para todos os 40.
Espanta-me, também, à porta do STF não serem vistos os augustos  e conhecidos militantes do PT, clamando por justiça, entendendo-se aí a condenação de todos ou quase todos. Eles estão ensombreados e os que poderiam apontar como culpados enchem os quadros de seu partido. Cadê os jovens militantes barulhentos, reivindicadores de justiça social?
Faltam vigor cívico e descomprometimento com os culpados, além de coragem na cara para pedir que se dê a César o que de César  for!
Entendo que justiceiros errantes não podem julgar nada nem ninguém e que quem enche as fileiras das defesas dos reais  direitos sociais não pode alinhar-se a facções partidárias quando estão em jogo os problemas e as soluções de um país.
Um grupo de cientistas internacionais acabou de tirar do sono profundo bactérias que viveram adormecidas por 500 mil anos. Que preguiça atemporal, não? No Brasil há muito legislador dorminhoco e julgador esperto. Tomara que essa quadrilha que está sendo indiciada não crie asas e saia de cena para sempre dos olhos de nossa justiça. Os nossos parasitas de cá, ao contrário das bactérias de lá, dormem de olhos abertos como  os coelhos selvagens. Quem quiser que se engane que no meio disso tudo ainda  não vá rolar um cardápio farto em pizza. Vamos esperar para ver.
Há tantos erros neste nosso país que, para iniciar um conserto amplo, geral e irrestrito, necessário seria deletar um montão de conchavos, vícios de deliberação e reiniciar a grande máquina da vergonha na cara e responsabilidade no peito. A civilidade anda em falta, o povo está desmotivado e é por isso que estamos presenciando nossos tupiniquins governantes agirem assim e assado, contra tudo e contra todos. Tem que reiniciar a máquina, esquecer o passado e monitorar veementemente, 24 horas ao dia, tudo o que for feito nesse recomeço. Afinal de contas, quem mastiga as abelhas ao invés de tomar   seu mel? Está tudo invertido, pervertido e errado!
Paulino Vergetti Neto
Enviado por Paulino Vergetti Neto em 15/09/2007
Código do texto: T653221
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulino Vergetti Neto.(paulinovergettineto.blogspot.com/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulino Vergetti Neto
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 59 anos
2381 textos (136540 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 03:02)
Paulino Vergetti Neto

Site do Escritor