Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SILÊNCIO PROFUNDO

Este silêncio que se alastra nos meus olhos plenos de inibição – um olhar à luz de vela na penumbra dos sentidos – é a navalha que me castra de alcançar os teus obséquios. Ele cumpre a minha solidão entre os dias que atravessam minha carne, vazam a minh´alma e sugam no seu efeito os dons que se tornaram restos imortais do meu ser – até que a morte me faça mudar tal sina –, desde que me fez ver a luz.
Nas caladas de meus tons que refletem a petição dos olhos, o meu algo eterno se perdeu dos desejos de te amar, sob um oceano de nostalgias... De saudades do que jamais aconteceu. Foi apenas a palidez de um sonho a partir do engano que bebi no teu olhar. Este silêncio, enfim, é como um ritual que se fecha sobre o grito agoniado em meu íntimo. Um grito que o meu não grito não quer calar.
Se viver é algo desprezível, e mesmo assim persisto em meus passos, na verdade os meus passos pisam em mim. Eles fazem isso por ti, pois se depender de tua distância, teu gelo, teu tanto faz no que tange a esta sentinela dos teus humores, nem mesmo a sola dos teus pés me conhecerá. De qualquer modo estou aqui, moribundo feito minha esperança... Disputando com ela quem será o último a morrer.
Demétrio Sena
Enviado por Demétrio Sena em 22/09/2007
Reeditado em 07/11/2011
Código do texto: T663905
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Demétrio Sena
Magé - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
3055 textos (61858 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 07:56)
Demétrio Sena