Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coração Dilacerado

Um coração dilacerado, onde ninguém tocou. Um lugar inóspito, selvagem, hostil...
Talvez tranqüilo, porem, agora perigoso.
Não há álibi que o livre de um erro, nem um Cristo salvador que o salve da cólera de seu próprio desejo.
Devassando seu olhar no espelho, nem mesmo ele, o dilacerado, sabe como ainda consegue fitar-se... Uma frágil figura sem rosto.
É fácil fazer coisas quando não se tem uma real imagem no espelho...
Uma imagem triste, desfigurada e transparente. Não por simplicidade, mas por falta de cor, pálida. Uma imagem ávida de sangue, vida...
Na memória, ainda o som dos açoites...
E o vento não parou com as pancadas enquanto até que não houvesse mais esperança. Pois dizem que é a única que não morre, e se morre... É a ultima.
A um coração dilacerado, inquieto... Que fala fraco, que escuta em mudo, sente em carne viva.
Fragilizado e ainda sim com um olhar determinado no espelho... O pulso, ainda pulsa.
As feridas sempre saram;
A cor sempre volta;
A tempestade cessa, uma hora ela cessa...
E quando o vento passa, a poeira baixa... Lá esta ele, regenerado, colorido, empoeirado por ter se dado horas a fio, e tendo ela em seus braços...
Tudo recente.
Os açoites, o punhal que ninguém viu, sua imagem no espelho, seu olhar quando lembrou que estava ali apenas por que viu, observou, sentiu o gosto de um olhar de anjo...
A tem em seus braços.
Não conhece seu rosto, nunca viu seus lábios, nuca os tocou.
Mas aquele olhar... Aquele sim ele conhece. Foi o que o dilacerou. Foi por ele que lutou na tempestade. Foi por esse olhar, que ao chegar ao fundo do poço, ergueu-se sobre seus próprios pés... Embotado de suor e lagrima. Ávido de sentir em sua direção, em sua vida, em seus braços. Um rosto angelical com um olhar de anjo.
Edson Duarte
Enviado por Edson Duarte em 27/09/2007
Reeditado em 24/08/2008
Código do texto: T671291
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edson Duarte
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 33 anos
138 textos (5532 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 10:05)
Edson Duarte