Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DESCREVENDO CRENÇAS E ESCREVENDO DESCRENÇAS

DESCREVENDO CRENÇAS E ESCREVENDO DESCRENÇAS
(Autor: Antonio Brás Constante)

A fé assim como a vida é uma chama de pureza em sua essência mais básica. Infelizmente, em contato com a imperfeição humana, se macula. Vira vício. Segrega e cega. Cria preconceitos. Envenena pensamentos. Incitando fanatismos, guerras, exclusões.

O ser humano costuma engarrafar a fé em religiões. Usando rótulos para vender o seu produto as massas, sedentas pela embriaguez da ilusão de suas promessas de paraíso. Tomando todos os seus ensinamentos como verdades incontestáveis. Seguem regras e fazem penitências como se estivessem em uma gincana, arrebanhando pontos para própria salvação. As pessoas recebem estigmas e assistem “aulas”, que lhes ensinam como devem agir e pensar, deixando-as aptas para pertencerem a um determinado grupo religioso, dizendo que sem tudo aquilo nada poderá salvar as suas almas, que ficarão a mercê de todo mal que possa existir. Passam a agir como se o mais importante não fossem os gestos simples de bondade, mas sim muita oração. A absolvição dos pecados é obtida através de penitências, nunca de indulgências.

Estas tantas doutrinas religiosas envolvem seus seguidores com dogmas em forma de grilhões. Arrecadando fortunas. Construindo verdadeiras cidades de luxo em cima da fé de milhões. O corpo de cada indivíduo passa a ser considerado como ataúde profano, por estar cheio de desejos carnais, que se mostra impuro frente a um ser superior que tudo pode, mas que nada faz, pois está em cada um a liberdade do caminho a tomar e a cruz que deve carregar. Para que estes fiéis possam viver felizes, basta que se ajoelhem. Basta que agradeçam. Basta que rezem, sem questionamentos, apenas com fervorosa devoção. Devem mostrar que merecem um lugar no paraíso, se destacando mais do que os outros em sua adoração. Então clamem por suas almas, vejam os moribundos que perambulam em sua volta. Alguém escreveu que são estes pobres e infelizes que herdarão o reino do além. É deles toda riqueza pós-vida, e para merece-la só precisam miseravelmente sofrer.

Nos casos de falha humana, procurem um dos templos mais próximos e troquem seus pecados por orações e penitências. Ali haverá alguém lhes esperando sempre pronto para pesar suas culpas, passando uma nota verbal dos custos de seus atos. Não deixem de pagar o que for cobrado, pois ficarão em pecado grave.

E o nosso grande pequeno mundo gira em torno de dois eixos que não se tocam, formados de um lado por aqueles que cometem os erros motivados pela fé, e no outro extremo encontramos aqueles que fazem o mesmo pela total falta de fé. No fim, pode ser percebido que os dois lados são frutos de problemas nas mesmas engrenagens, que se mostram defeituosas em seus corações. E o mundo segue girando sobre suas cabeças, mas suas cabeças são apenas vácuos, preenchidos com enxertos feitos de pacotes prontos com verdades absolutas, ou simplesmente na mais frenética negação. Você sabe qual a diferença entre um assassino que não crê em nada e um fanático que mata inocentes em nome dá fé?

Enfim, vivemos em um mundo dividido entre os que acham que tem fé e os que pensam não ter nenhuma. Onde muitas vezes seus próprios destinos lhes mostram o quanto ambos estão errados. A fé não deve ser buscada, imposta, forçada, explicada. Deve apenas ser sentida, vivida na sua forma mais simples (a fé no amor). Sem almejar alcançar qualquer graça, qualquer privilégio, qualquer proteção. Qualquer ato de fé de fuja disto vira fel, envenenando o que talvez seja a maior dádiva da humanidade, a pureza indefesa e rara que se guarda no fundo de nossas eternas almas.

E-mail: abrasc@terra.com.br
(Site: www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc)

Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

NOVA NOTA DO AUTOR (agora com muito mais conteúdo na nota): Caso queira receber os textos do escritor Antonio Brás Constante via e-mail, basta enviar uma mensagem para: abrasc@terra.com.br pedindo para incluí-lo na lista do autor. Caso você já os receba e não queira mais recebe-los, basta enviar uma mensagem pedindo sua retirada da lista. E por último, caso você receba os textos e queira continuar recebendo, só posso lhe dizer: "Também amo você! Obrigado pela preferência".

ULTIMA NOVA NOTA DO AUTOR: Agora disponho também de ORKUT, basta procurar por "Antonio Brás Constante".
Antonio Brás Constante
Enviado por Antonio Brás Constante em 28/09/2007
Código do texto: T672924
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Brás Constante
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 101 anos
400 textos (86736 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 22:20)
Antonio Brás Constante