Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO OS PERSONAGENS JÁ ESTÃO CRIADOS


Arritmia. A razão se rende às fantasias e o desconhecido se transforma na possibilidade de realização dos sonhos mais íntimos. A projeção da obscuridade no espelho do mundo em busca dos contornos que rabiscam a própria carência sombreada e refazem o brilho das primitivas paixões. Um olhar que se entrega com um talvez tatuado nos medos de vivências anteriores, um olhar que se prende na expectativa de uma nova chance, um olhar que se perde no misterioso mundo de sentimentos do outro...
Abre-se a janela. Luz! A vida desponta no horizonte redescoberto. Os caminhos não são distantes das emoções. A crença que as partidas podem coincidir com as chegadas se arraiga nas promessas mútuas.
Pela primeira vez! Nunca tão intenso!
As palavras tentam compor a singularidade do encontro, o êxtase do prazer reencontrado no outro. Primeiros momentos marcados ainda com muita hesitação, o limite do outro, até onde me sentir, senti-lo ou sentir-nos... Outros momentos de certeza, o ritmo aproximado das emoções, troca de confidências e as primeiras arestas... O passado não cicatriza da mesma forma nos amantes: o que um relegou ao esquecimento, o outro abre na ferida do ressentimento. As primeiras imagens no espelho mundano parecem distorcer as ilusões iniciais.
Abre-se a porta. Ar! Alguns pensamentos deveriam ser afastados. Lembranças que sufocam e prendem o futuro num ar viciado. Receios que se lançados ao vento não impediriam a manifestação autêntica do querer estar... Talvez abandonar as falas decoradas e deixar o outro se apresentar e crescer como um personagem inédito... Talvez encasular o que não tem mais asas...
Estou acostumado... Já não dói... Já não creio... Já vivi...
Os discursos assumem o declínio das expectativas. O que fora anunciado como o novo, torna-se a possibilidade de sentir novamente e posteriormente um obstáculo para não reviver o sofrimento.
O olhar se fecha. Um espelho cerrado de amanhãs. Cada um percebe em si o andamento do enredo, protagonista do próprio medo; cicatriza a imagem do que poderia ter sido se a narrativa já não estivesse viciada com os personagens preconcebidos, autor do próprio desfecho, e permanece passivo às desilusões, espectador do repetido drama.

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 04/11/2005
Código do texto: T67404
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790027 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:27)
Helena Sut

Site do Escritor