Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O primeiro gol


Após meu primeiro drible e o aprimoramento da técnica de roubos de bolas – o que me fez subir da categoria horrivelmente ruim, para o animado grupo dos ruins – o gol era a única façanha não realizada por esse escriba. Digo, gol a meu favor, por que os contras já eram incontáveis.

Nesse período, passei de zagueiro para faz tudo. Afinal, ganhei alta-estima, essa, desenvolvidas nos gabinetes políticos e exercidas nos horários eleitorais. Passei a arriscar de todos os lados.

Como o drible ainda era coisa de jogador bom, desenvolvi uma técnica - copiado pelo Kaká - de pegar a bola e correr atrás dela. Como sou alto e de velocidade invejável, é o que eles me dizem, passei a estar mais próximo do gol. Isso é claro, quando a quadra não ficava pequena demais pra mim.

Certa vez fiquei na cara do gol, o goleiro saiu, e eu, ainda não sei como o fiz, apliquei-lhe o maravilho drible da vaca. Agora, era eu e o golaço que consagraria minha vida futebolística. Na hora, chutei a bola muito próxima do gol, do gol da outra quadra. Foi horrível. Até o Renan sentiu vergonha.

Mas, como dizem: quem insiste consegue, o tão sonhado gol saiu. E de forma extra-corriqueira. O goleiro adversário, um tal de Robson, resolveu sair da sua área com a bola dominada, e com instinto adquirido dos Palácios de Brasília, sair a marcá-lo e com a façanha aprimorada pelo ACM, tirei-lha a bola ficando a uns três metros do gol.

O que me veio à síndrome dos gols perdidos, que tanto ataca o Wagner Love. A pressão aumentava a cada 2 segundos ao ouvir das arquibancadas: “chuta pro gol!”. Enquanto isso, meu opositor, covardemente resolve puxar minha camisa por trás.

“Pede pênalti!”, gritou um colega de jogo. Nesse instante, olhei pra trás e vi nos olhos do adversário a aflição sentida por Collor ao ser expulso da presidência do Brasil. “Eu não posso levar gol desse cara!”, chorava ele.

Nessa hora de consagração, resolvi nem sofrer pênalti e nem chutar a bola, resolvi humilhar, afinal de contas, essas oportunidades não são corriqueiras.

“Como?”, pergunta você. Entrando com bola e tudo. Gol!

A partir daí aprendi fazer gols, exceto claro, quando o goleiro teima em ser bom. Estou até pensando em contratar um jornalista pra fazer a contagem dos meus gols, e assim, ir à busca do milésimo.
João Áquila
Enviado por João Áquila em 04/10/2007
Código do texto: T679766
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Áquila
Aracaju - Sergipe - Brasil, 34 anos
142 textos (33632 leituras)
1 áudios (113 audições)
1 e-livros (29 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 07:07)
João Áquila