Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E COMO O POETA MUDOU O MUNDO

 

Que poetas vivem no mundo da lua, isso não há quem não saiba.
 
Que ele sonha acordado e fala com pássaros, isso também não é novidade.
 
Mas que pode modificar o mundo...
 

Como todo escritor, poeta ou não, o livro é também meu objeto principal de
fascínio.
 
Há uma atração direta, meio que física, meio que transcendental, que me
impulsiona para onde eles estão.
 
Vai daí que a Bienal Internacional do Livro de São Paulo foi um prato cheio
para encontro dos compulsivos.
 
O interessante é que nunca se espera que a freqüência seja a mesma entre os
leitores.  Mas esse ano, para minha grata surpresa, houve superação das
expectativas. Nunca vi uma feira de livros tão movimentada, tão organizada e
com tantas atividades culturais simultâneas. O esmero no design dos boxes,
na exposição das obras, a quantidade de títulos novos de interesse geral, a
literatura infantil com seu merecido destaque.
 
Sim, porque é a partir da criança que o poeta vai mudar o mundo.
 
Aliás, poeta e criança têm muito em comum, a começar pela preferência quase
que intuitiva pelo campo dos sonhos, a identificação com a natureza e com o
que passa desapercebido pela maioria das pessoas, além da facilidade de
ouvir música no vento.
 

A poeta aqui viu a mobilização de escolas trazendo suas crianças em grupos,
desde a mais tenra idade, como que num milagre, numa feliz homenagem póstuma
a Monteiro Lobato, que se estivesse assistindo àquilo, decerto criaria mais
alguns personagens de imediato. Eram filas imensas de recém-desfraldadas
crianças, ávidas por manusear as folhas coloridas dos livros infantis.
 
Eram dezenas de professores orgulhosos de suas turminhas, preocupados com
sua integridade tanto física, quanto moral e cultural.
 
Eram autores encantados com seu público-mirim, envoltos na turba dos
construtores do futuro.
 

Sim, o poeta mudou o mundo, e eu estava lá para ver.
 
E vi a multidão de todas as classes em busca do conhecimento.
 
Vi autores novos em meio aos assíduos nas listas de mais vendidos.
 
Vi livros-ostras de bolso, com verdadeiras pérolas escondidas entre as
capas.
 
Vi mímicos e artistas anônimos chamando a atenção para os lançamentos menos
badalados pela mídia.
 
Vi editores confraternizando com seus autores, mesmo que não houvesse assim
tanto retorno financeiro da obra.
 
Vi verdadeiras preciosidades no cuidado de capa, diagramação, design e,
principalmente, conteúdo.
 
Vi que a esperança de que a nossa população possa ter interesse em algo além
de programas limitados na telinha, onde o pensamento não cria e nem viaja,
apenas mastiga o que lhe é empurrado boca adentro, essa esperança está mais
viva do que nunca.
 
Esse é o momento dos escritores se unirem na mudança. Essa é a hora de
investir na cultura, na nossa cultura regional e nacional. Valorizarmos
nossa literatura, nossos expoentes, nossas origens e criarmos, criarmos,
criarmos. Denunciarmos injustiças, relatarmos feitos, buscarmos
entendimentos, crescermos junto do nosso povo e da nossa língua. E de nos
unirmos com nossos irmãos de países lusófonos.
 

Vi que o poeta mudou o mundo.
 
Há mais poesia nas ruas, há mais poemas nas casas, há mais versos nos
corações.
 
O povo quer poesia. O público clama pelos bons textos.  O leitor está
atento, pesquisa seus autores, procura por novidade, lê e divulga.
 

Não somos guerrilheiros, guerreiros de armas de fogo.
 
Nossas armas são a palavra e a beleza.
 
Nosso grito é, talvez, mais ruidoso que qualquer estrondo de bomba, e tem
poder de espalhar mais fragmentos que qualquer granada.
 
Temos a faca e o queijo, mas não temos a mesa de apoio para o corte e a
degustação.
 

Esse aforismo de que “poesia não vende” é preconceituoso. Vende e vende
bastante, mas para isso é necessário que o poeta seja acreditado, que tenha
chance de expor sua obra e uma divulgação à altura de qualquer escritor de
livros de consumo.
 
Precisamos do incentivo dos que detêm o poder de “formadores de opinião”,
dos que podem manipular e mobilizar a mídia contra ou a favor de quem quer
que seja.
 
Talvez por sermos poetas, não saibamos bem lidar com essas coisas todas, que
não falem da alma, do coração, da angústia e dos questionamentos íntimos do
homem.
 

Mas se eu vi o poeta mudar o mundo, por que não ver o cenário da poesia no
país ser modificado e conquistarmos assim o merecido espaço no
desenvolvimento e formação de um povo mais culto e com mais chances de ser
feliz?
 
Por que não nos aliarmos aos irmãos dos países de mesma língua, como
Portugal, por exemplo, onde somos admirados pelos escritos e temos de lá
também tão fortes nomes em nosso dia-a-dia literário?
 
Se eu vi (com esses olhos que a terra há de devolver ao céu em forma de
estrela) os pequenos extasiados com o livro, o que mais é preciso para que o
mundo se modifique?
 

por Lílian Maial
Lílian Maial
Enviado por Lílian Maial em 06/11/2005
Código do texto: T67991

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site "www.lilianmaial.com"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Lílian Maial
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1158 textos (248660 leituras)
21 áudios (13707 audições)
3 e-livros (1280 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:00)
Lílian Maial

Site do Escritor