Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Com quem aprendi.

Começo este singelo texto pedindo desculpas aos meus queridos leitores por estar falhando nas últimas semanas. Não que eu tenha me esquecido de ecrever algo para o site, mesmo após ter tido um comentário absurdo em uma das minhas crônicas. É apenas uma questão de polidez. Afinal de contas eu tive uma educação exemplar. Posso dizer até que sou uma privilegiada. A maioria das pessoas foi educada pelos pais e pela escola, uma forma antiga e ultrapassada que já provou ser falível e prejudicial ao desenvolvimento do ser humano. Eu fiz parte de uma espécie de experiência sociológica que demonstrou resultados expressivos. Uma alternativa realmente vitoriosa. Na verdade, sou o produto de uma educação promovida por um triunvirato virtuoso, uma santíssima trindade, um trio ternura, formado pela empregada, pela televisão e pelo cachorro. Coisas do mundo moderno, em que os pais têm de trabalhar de sol a sol para prover os filhos de todas as suas necessidades e também das melhores coisas da vida, como ter uma empregada, uma televisão e um cachorro. Tive lições realmente valiosas observando meus três mestres e senhores.

Da empregada aprendi a me submeter à humilhações, ganhar pouco, ficar apenas com as sobras e limpar coco de cachorro, tudo sem reclamar.

Com a televisão aprendi a mentir, a me preocupar apenas com a aparência e a acreditar que esta vida de merda que a gente vive só faz sentido se for delirantemente fantasiada. O bem vencendo o mal, o destino inexoravelmente a nosso favor, todas as injustiças exemplarmente corrigidas e por aí vai.

Do cachorro, bem, do cachorro foi de quem eu retive as maiores e mais fundamentais lições. Meu caráter foi quase que totalmente forjado observando o comportamento deste que é o nosso mais fiel amigo. Começando por aí: fidelidade. Com ele também aprendi a sentar quando solicitado, a dar a patinha quando necessário e fingir-se de morta quando conveniente. Aprendi a abanar o rabo para quem me sustenta e a perdoar todas as suas agressões e tiranias. Aprendi que banho é uma coisa hedionda e que é necessário marcar o nosso território incessantemente, todos os dias de nossas vidas. Aprendi a montar nos outros para mostrar quem manda. Aprendi a latir quando as pessoas fingem não notar a minha presença.

Como vocês podem ver, a merda esteve presente em todos os momentos da minha formação. E se você conhece um pouco da vida, sabe que no teatro a merda é sinal de boa sorte. Mas não fique com inveja, por favor. Ser educado pelos pais e pela escola não é assim o fim do mundo. Eles também sabem muito bem fazer suas cagadas
Tati Picon
Enviado por Tati Picon em 10/10/2007
Código do texto: T688686

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tati Picon
Londrina - Paraná - Brasil, 32 anos
32 textos (5744 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 13:38)
Tati Picon