Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crônica invisível da primavera

     Naquela manhã após folhear um livro percebi que havia sumido. A suprema recompensa do trabalho imaterial é ter um espírito vivo e pronto para o mundo das férias.  Sem ao menos desaparecer ambições e desejos caminho meus passos surdos pelo mercado do mundo.  Para mim pouco importa se a abelha e a vespa sugam as mesmas flores quando tenho que subir uma montanha aos saltos. Decidi desaparecer para parecer moderno e não precisar subir mais.
       Decerto por cansado da profissão de chefia notei que tudo havia terminado até o poder de engrandecer-se nunca cansativo. Assim deixaria de pesar aos demais. Depois, deixar para amanhã o que podemos fazer hoje... pode ser o único consolo da loucura.  O hiato da folga, sem perder tempo aparecendo, quando é melhor viver da plena inaparência,  reúne em meu espírito o estado melhor da alegria.
       Vieram-me às reflexões de sábado e a liberdade sobre o segundo emprego. Não haveria mais choque. Se esse fato garantir algum desconsolo ele alentará ao mesmo tempo. De fato muitas coisas inúteis o são por excelência e por excelência ninguém mais me veria. Tampouco ninguém me saberia. Reapareceria somente naqueles que depositam nos seus  olhos tímidos algumas lembranças momentâneas, dizendo: Aliás, com licença! Por favor! Naqueles que seguem correndo sorridentes atrás de um grupo de empregadas para conferir o quanto elas também têm uma obsessão. Estava livre para viver e correr porque sem presença não há o alarme interno. Nem a neurose, nem a cirrose hepática.
          A vida no interior permite pesar friamente o silêncio mesmo que ele desabe sobre o privilégio de não sofrer minha transparente nudez. Posso agora assistir as cenas diárias como se fosse à sessão da tarde.  Estufado de orgulho pela façanha de ter desaparecido sem perder o mundo de vista. O mundo já sem ginástica ou vergonha dos quilos a mais.  Sigo caminhando no calçadão à tardinha isento de colesterol entre o trânsito da paisagem urbana da tarde. A fumaça podre dos carros passa por dentro de mim.   No fundo a preguiça na sociedade de risco exige grande heroísmo e prossigo minha jornada  para o chope. Conceituando a felicidade sem conta do ser invisível sem um pingo de culpa. Normalmente despacho telefone, organizo quilos de fotos de família, vou parar dentro de outras vidas onde deito-me em todas as camas o que pode parecer impróprio. (Os moralistas conseguem captar imoralidade até na ação fecunda...)
          Da cozinha para a sala começo a desenvolver uma linguagem para invisível noção de coisa quanto ao meu nome como um preço e o preço é o espírito das coisas. Tento elevar minha impermanência a condição de nobreza o que é resquício de vaidade inútil. Faço o possível  para desfazer. Desfazer  o ar de agregado dessa condição  porque os parasitos de resultados deliberam uma razão em plena inação com ar de grande coragem. E nem sempre a felicidade resiste à tenacidade dos tolos, assim quando pus a mão na consciência foi por metáfora.
          No trabalho os colegas tentam me abraçar agora que já não dou na vista. Rodeiam minha mesa e querem saber se estou com problema de saúde, se desvaneci por causa da mulher numa briga sobre o filme e o direito do videocassete, etc. Passam sem discrição ao ponto de partida do amor unilateral, não respondo. Chuto-lhes como um Vadinho o traseiro dos invejosos escarnecendo sem arrependimento. Sem remorso na primavera por onde sigo  com meu novo estado.  A primavera roga minha presença de baile  na varanda que de ruim desminto pela ausência suas intenções de me ver. Sem perder a pose diante da estação  fixa com seus usos e costumes onde  prosseguem os mais livres sem queixas nem lamúrias. É a primavera quem desabrocha onde preciso abrolhar para melhor sentir o seu perfume constante.
 

                 

 
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 11/10/2007
Reeditado em 30/10/2010
Código do texto: T690241
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original ( Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61364 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 20:55)
Tércio Ricardo Kneip