Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS GATOS E O PASSARINHO.



Mas que chateação...  agora mesmo, tão cedo,   tive que assistir uma luta de vida e de morte... um passarinho desavisado entrou aqui dentro de casa e veio, voadoramente,  alojar-se  no escritório...

Meus dois gatos, que parecem a minha sombra, estavam esparramados  no aposento, ressonando,  quando viram o intruso voando, baixinho, sobre as nossas cabeças.

Foi um auê... ou melhor... um miauê.... eu gritava, eles miavam  e o passarinho acossado contra paredes e vidros, batia freneticamente as asas, sem sair do lugar. Até que descontrolou-se e veio ao chão. Exatamente ao lugar onde  jamais poderia ter ido.

E começou uma brincadeira de gato e rato... o rato era o passarinho... o meu gato preto, sempre tão manso, tomou a dianteira... virou leão. Com a pata, ele procurava trazer para perto de si aquele ser(zinho) que se debatia indefeso. O outro gato, acompanhava bem de perto. Se a primeira fera falhasse em seus intuitos homicidas, ele seria a segunda fera. O negócio assassino, tinha uma certa ordem hierárquica, eu percebi. Do alto grau do meu desespero, saquei tudo. A dupla era altamente perigosa e estava imbuida das piores intenções possíveis.

 Não fosse a minha gritaria e agilidade, o pequeno passarinho, ainda filhote, ainda indeciso,  teria servido de sobremesa para os gatos. Sim, sobremesa, porque a refeição principal eles já tinham recebido.

Consegui salvar o que foi destinado à salvação.  Nem sei como. Acho que o desespero me tomou e fez de mim uma leoa: a rainha da selva!

 Em minhas mãos, o coraçãozinho assustado, batendo descontrolado, um passarinho. Tão frágil quanto eu. Tão assustado quanto o meu susto eterno. Tão perplexo quanto a minha perplexidade.  Tão ansioso pela liberdade, quanto eu pela minha. Tão passarinheiro quanto "eu passarinho."

 Esperei que se acalmasse e o devolvi para o azul do infinito. O infinito é sempre azul. Se olhamos da terra para o céu, o infinito é azul. Se olhamos da lua para a terra, o infinito da terra também é azul. Foi para esse azul eterno que eu devolvi o passarinho, depois do susto vermelho.

Felizmente, ele sabia voar.

 Mas eu ainda não sei. Ainda estou presa a cães, gatos e seres humanos cuja lógica, às vezes, me lembra gatos comendo passarinhos pelo simples deleite de matar. Não pela fome, mas pelo instinto. Não pela necessidade, mas pela crueldade. "Decifra-me ou  te devoro.

Eu, eu que amo tanto, olhei para os meus gatos sem censura, mas com  muda decepção. Para onde fora a doçura do ronronado suave, quando se enroscam em minhas pernas? Para onde fora o olhar tão manso, e a imobilidade tranquila que faz deles os meus companheiros fiéis de toda manhã?
 
Por quê matar se tudo o que vive quer viver, e se tudo o que morre, na hora "h"  não deseja morrer?

Eu que amo tanto, hoje não vou amar com tanta intensidade. Hoje vou amá-los com desilusão. Só preciso saber como é que se  ama com desilusão, eu que só sei amar de um jeito.
Ana Ribas
Enviado por Ana Ribas em 13/10/2007
Código do texto: T692273

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ana Ribas
Cruzeiro do Oeste - Paraná - Brasil
202 textos (44779 leituras)
9 áudios (939 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 00:14)
Ana Ribas