Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entre Quibes e Esfihas

Rosa Pena

 

 

Fui convidada para dar uma entrevista ao jornalzinho da Saara - Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega -, atualmente o maior conjunto de lojas e camelôs do Rio de Janeiro. Cheguei um pouco atrasada e tomei um susto com a recepção. Tinha uma banda tocando bem em frente a uma banca de biquínis e uma faixa com a saudação: "Viva a nossa musa".

        Fiquei me achando mais poderosa que a Gretchen e senti até pena de não ter vestido uma roupinha mais atrevida, mas eu havia me preparado para uma entrevista literária, segundo a informação do editor.

        Eles apreciavam minha filosofia de vida. Será que eu sou a Nitchie do pagode e não sabia?

        Sentei-me com Alberto, meu entrevistador, no restaurante Cedro do Líbano e imediatamente colocaram em nossa mesa kafta, tabule, quibes e esfihas. Sorri e disse que essa conversa era muito calórica, porém Alberto avisou que mulher acima do peso estipulado por Versolatos é que é o seguinte nessas bandas. Pronto, agora eu já estava possuída da quase certeza de que eu era Rosa Juliana Nitchie Paes.

        O barulho da bandinha ia cada vez mais alto e a quantidade de gente, principalmente homens, idem. Eu quase já não ouvia as perguntas sobre meu livro, fora a surpresa com isso tudo. Que alegria!

        Quando eu estava na quinta esfiha e na sexta resposta, o garçom deu um berro da porta, pra galera:

       
O segurança avisou que ela acabou de chegar!

        Eu sorri e pensei "mas eu já estou aqui há mais de uma hora". Então, de súbito, o entrevistador pediu-me um momento e levantou-se. Levantei-me junto e vi a Siri do BBB 7, a notável e gostosa sacoleira namoradinha do Alemão, chegar no maior agito, com a faixa de musa da Saara. Comi mais uma esfiha e pedi para embrulhar três quibes pra viagem.

        Alberto voltou a sentar-se rapidamente e fez questão de tirar uma foto minha. Avisou que eu sairia no jornal daquela semana. Agradeceu minha atenção, pagou a conta e me deu um abraço carinhoso.

        Fui andando pela Alfândega rindo da minha Gretchen imaginada, quando tocou o celular. Era meu marido perguntando como havia sido.

     
Comi quase uma dúzia de esfihas e ainda tô levando uns quibes pro meu Magal.

      
 Viagem perdida?

       
Não, de jeito nenhum. Acabei de comprar um lenço de onça por $4,99, para a inimiga declarada do final do ano e, no momento, estou na banca de calcinhas sexy. Cada uma show, pois quero vê-lo sorrir, quero vê-lo cantar, quero ver o seu corpo dançar sem parar.

      
 Mas vai sair a tal entrevista?

       
Veremos na sexta.

        Saiu, na penúltima página, um pouco acima do obituário, ainda bem.

        A Siri na capa.

        Mas justiça seja feita. Vaga no BBB é bem mais difícil que em universidades e Playboy vende muitíssimo melhor que livros. Volto lá para repetir o tabule. Bom demais.





Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 16/10/2007
Reeditado em 30/01/2015
Código do texto: T697337
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
969 textos (1532290 leituras)
48 áudios (24808 audições)
33 e-livros (29485 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 10:32)
Rosa Pena

Site do Escritor