Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA SOLUÇÃO ADEQUADA E FUTURÍSTICA PARA O PROBLEMA DAS CONCENTRAÇÕES DE POPULAÇÕES NAS GRANDES CIDADES BRASILEIRAS

 Muito se tem falado sobre o crime e a violência que imperam em nosso país. A imprensa e certas autoridades têm-se manifestado sobre o assunto  com soluções simples para um problema de grande envergadura, apontando como fatos geradores do crime e da violência, a ineficiência do sistema policial e penitenciário. Não há a maior preocupação das autoridades em eliminar os fatores determinantes do aumento da criminalidade, como por exemplo, o exagerado crescimento demográfico; o não equilíbrio na distribuição de renda, produzindo uma multidão de marginalizados; o surgimento de favelas e conglomerados urbanos; o ócio da juventude. E a entrada, através das nossas fronteiras, de alta quantidade de substancias tóxica; alcoolismo etc. Precisamos reorganizar as policias estaduais; o combate sistemático da violência policial; policiamento ostensivo capaz; maior acompanhamento do Ministério Público; reestruturação dos institutos médico-legais; criação de uma policia cientifica altamente especializada; entre outras. Na esfera legislativa é necessárias a reforma de todas as leis atinentes às áreas  de prevenção e repressão a violência e criminalidade Mas falemos dos grandes conglomerados urbanos e o porque de sua existência. As grandes populações que hoje encontramos nas nossas cidades mais industrializadas são resultados de vários fatores econômicos, políticos e históricos, que através dos séculos foram se moldando e perpetuando. Só no Rio de Janeiro, um terço da população carioca vive em favelas, isto é aproximadamente um milhão e oitocentos mil pessoas, exatamente em setecentos e quinze favelas. De 1991 ao ano de 2000, a população de favelas cariocas aumentou exatamente 23,9%, número maior que a população do asfalto, que foi de 6,9%. Como resultado disso, existe em nossas cidades, cada vez mais conglomerados-urbanos, que exigem de nossa capacidade de pensar, soluções imediatas, devido ao que já sabemos, o aumento de serviço de todos os tipos, e da capacidade que uma cidade pode oferecer. Serviços estes, que quando não suportam a carga excedente, pregressa de outro meio, como o campo, e que quase sempre acontece, explodem em péssimos atendimentos ou nenhum existente, além, é claro, a urgente criação de empregos para que este excedente possa sobreviver na ‘cidade grande’. Por sua vez o homem do campo, exímio conhecedor do campo, mas sem preparo algum para a cidade grande, se vê como um homem perdido no deserto, que precisa sobreviver à sede e a fome, até encontrar o seu habitat natural, mas que não vê saída eminente, pois até retornar a sua terra natal se tornou um sonho impossível de ser realizado. Segundo estatísticas do IBGE, existem hoje no Brasil um milhão de pessoas na beira de estradas acampadas, esperando a repetidamente falada reforma agrária, e outro milhão, que trabalham de sol a sol nas safras e entre safras deste país, em condições sub-miseráveis, que a qualquer mortal envergonha e entristece. Hoje no mundo, o Brasil é o maior produtor e consumidor de álcool etanol, principalmente a partir de 2003, quando foi criada a tecnologia dos carros FLEX. O Proálcool, criado pelos militares na década de setenta, e totalmente subsidiado pelo governo, quase foi desativado na década de noventa pelo seu maior subsidiador, que é de fato o BNDES. Isto porque depois de passada as duas crises de petróleo, a de 1973, que foi o estopim para criação do proálcool, e a de 1983, verificou-se que não valia a pena  manter um programa tão caro, subsidiado pelo governo e que começava a dar mais prejuízo que lucro. Visto que o carro a álcool criado pioneiramente no Brasil, não apresentava as condições ideais de trabalho tal qual o carro a gasolina. Além do mais com a passagem da crise do petróleo, e os Árabes voltando a praticar um preço mais justo, houve queda no preço dos derivados do petróleo, o que colocou em duvida na década de 90 a continuação do Proálcool. Mais talvez por terem visto que, a desativação do Proálcool iria custar outros milhões de reais aos cofres públicos, foi-se tocando o barco, e com a evolução da tecnologia mecânica automotiva, e isto graças ao sistema de injeção eletrônica, criou-se o carro FLEX, que consome álcool e gasolina. No início produzido timidamente, que com o passar dos anos e a crescente aceitação dos usuários, as montadoras resolveram investir mais e mais em tal tecnologia, o que veio salvar o Proálcool de sua definitiva desativação. Hoje sabemos que o petróleo não para de subir, mas o mundo não entra mais em crise por causa do seu preço, pois já existem, e cada vez mais aparece, inúmeras alternativas de consumo de energia, usadas nas industrias e nas frotas automotivas de cada país. Entre outras o nosso álcool, plantado e aqui produzido, se mostra como solução para o mundo moderno consumidor, a ponto de os Estados Unidos da América se interessar, em comprar álcool brasileiro e importar a nossa tecnologia de motores a álcool, pois sabemos, que os 11 milhões de poços de petróleo em solo americanos, cada vez menos produzem óleo, num país que cada vez mais, consome mais petróleo. Uma nova e recente estatística, diz que no ano de 2015, metade da frota mundial de carros, que indubitavelmente, será maior que a atual, será de carros FLEX. Quer queira quer não, o Brasil saiu na frente com a produção de álcool, e que agora países como os Estados Unidos e até a Europa já acenam com a possibilidade de instalar e produzir em seus pátios, carros FLEX, com compra e importação de tecnologia e álcool brasileiro. O valor do álcool na bomba é digno do que se produz, ainda sem exportação, com a exportação precisaríamos produzir muito mais álcool do que agora se consome. O mesmo não se diz com a produção do álcool na ponta de produção, ou seja, no campo, com bóias-frias mal pagos, excesso de trabalho e produção, e as terríveis seqüelas na saúde. Precisamos remunerar este homem do campo, que trabalha no corte de cana para a produção de álcool e açúcar, com a dignidade e importância, que o valor inserido da sua produção cabe na bomba distribuidora. Nós temos como exemplo a Petrobrás, em que da produção dos poços ao consumo na bomba, o valor inserido, reflete o valor produzido. Certamente que, prendendo este homem no campo, com salário digno, diminuiríamos na cidade as grandes aglomerações que vemos em cada morro, e por tabela, a violência, a questão do desemprego etc...
 A produção de biodiesel, pesquisa incentivada a sua produção industrial pelo governo Lula, e a recém descoberta do H-bio, que são combustíveis de origem vegetal, assim como o álcool, faz naturalmente a gente pensar e perguntar: Será que já não esta na hora de criarmos a ÁLCOOBRAS? OU A BIOBRÁS ?

26/10/2006 Delton.

Luiz Martins
Enviado por Luiz Martins em 17/10/2007
Reeditado em 18/10/2007
Código do texto: T698468

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luiz Martins
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
7 textos (509 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 16:04)
Luiz Martins