Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bairrismo

Dois amigos, um paulista e um carioca, colegas de faculdade (UFMG), se encontram, anos depois de formados, em plena Avenida Paulista.

- Jorge Henrique!!!

- Não…não acredito…Paulinho, é você mesmo?

- Em carne e osso.

- Mais carne do que osso, né.

- Sinal dos tempos, Jorge Henrique…

- Nem me diga…

- O casamento transforma qualquer homem, não é mesmo?

- Sem sombra de dúvidas…mas me diga, o que você tem feito de bom por aqui?

- Além do trabalho, tenho ido ao teatro, museus, restaurantes…

- Grande Jorge Henrique, finalmente deu o braço a torcer, se apaixonou por São Paulo!

- Que nada, continuo sendo muito mais o Rio de Janeiro.

- Mas tem coisas que você só encontra em São Paulo.

- Aí que você se engana, no Rio de Janeiro também temos ótimos museus, teatros, e tudo mais em conta.

- Mas as melhores peças estão por aqui.

- Mas os melhores atores estão por lá!

- De que adianta ter os melhores atores, se o público, Paulinho, O público está todo aqui em São Paulo!

- Mas também, esta é a única opção de lazer em São Paulo…já no Rio de Janeiro, nós temos praia! – Falou estufando o peito.

- Em contrapartida, em São Paulo nós temos o Parque do Ibirapuera, lindíssimo! – Falou com o peito mais estufado ainda.

- Pão de Açúcar, Bondinho, Arcos da Lapa…sem contar o Cristo Redentor, uma das 7 maravilhas do mundo moderno.

- Estação da Luz, Mercado Municipal…a própria Avenida Paulista!

- Ótimo, com todo esse trânsito… – Irônico.

- Sinal de progresso, meu amigo!

- Certo…e todas essas favelas por aqui?

- Calma lá, no Rio de janeiro vocês também têm muitas favelas.

- Inclusive a mais famosa do mundo, a Rocinha! – Disse todo orgulhoso.

- Ah, se é assim, em São Paulo nós temos o único rio do mundo, feito só de cocô! – Mais orgulhoso ainda.

- É…mas por acaso você já sentiu o cheiro da Lagoa Rodrigo de Freitas?

- Não chega nem perto do Tietê!

- Mas em matéria de violência a gente ganha fácil!

- Magina, ontem mesmo eu fui assaltado, sem contar o sequestro relâmpago no mês passado…e olha, vou te falar, que sequestro! Bandidos fortemente armados, tudo muito bem planejado, em 3 horas eu já estava em casa.

- Não fala besteira…já viu quantas pessoas morrem todos os dias, vítimas de bala perdida no Rio de Janeiro? Muito mais que em São Paulo, aposto!

- Isso é coisa da mídia, bairrista e carioca! – Disse irritado.

- Veja só, um paulista falando em bairrismo, onde já se viu!

- Você não entende nada! Ontem mesmo li no jornal, o maior do país, por sinal, que 1 em cada 100 homícidios no mundo acontece em São Paulo, e não naquela porcaria do Rio de Janeiro!!

Neste momento, o carioca, irritadíssimo com a mania de grandeza do seu amigo paulista, puxa sua arma da cintura e acerta um tiro no peito do colega, que cai no chão ensanguentado, sem demonstrar nenhum sinal de vida. Antes de ir embora, como se nada tivesse acontecido, ele ainda fala:

- Sinal dos tempos, Jorge Henrique!
Ricardo Polinesio
Enviado por Ricardo Polinesio em 19/10/2007
Código do texto: T700737

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para o site "www.polinesio.zip.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Polinesio
São Paulo - São Paulo - Brasil, 37 anos
68 textos (5640 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 10:34)
Ricardo Polinesio