Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A viagem de cada um

Umas das coisas que eu aprendi com os meus pais, foi a de que uma pessoa tem que ter palavra. Isso é bem característico na educação de nortistas e nordestinos, no caso, minha família de Belém/PA.
É comum as pessoas darem sua "palavra de honra", para assegurarem um compromisso, a veracidade de uma história, um testemunho, etc.
E eu cresci com esse valor. Mas, a palavra a que meus pais se referiam, tem um conceito mais amplo.
É a palavra que é producente, agregadora, a palavra que traduz sentimentos, que leva conforto, alegria, firmeza, mansidão...
Minha mãe sempre disse, que o bem é o que sai da boca do homem, e que o contrário não é da boca que sai e sim do coração. Meu pai, dizia que uma palavra dói muito mais que um tapa, e que portanto deveríamos sempre expressar-nos de maneira gentil, e sobretudo Verdadeira, e que nunca falassemos com o coração cheio de raiva ou mágoa, pois quem estaria falando seriam os sentimentos ruins e eles não deveriam dominar a mente, a boca, ou pior, magoar outra pessoa.
E eu acredito piamente nisso. Embora não raro, as pessoas não estejam aptas a nos ouvir, a realmente escutar.
Hoje eu entendo com o meu coração, quando Jesus fala: Quem tem ouvidos que ouça.
A vaidade humana, sobretudo a vaidade intelectual, é capaz de deixar uma pessoa surda, surda e fechada em seu seguro mundinho pequeno burguês, na débil credulidade de seus equívocos e julgamentos insanos, no conforto de sua sala de estar, arregimentando legiões de seus iguais, ou nem tão iguais assim, mas manipulando-os.

No filme "O advogado do Diabo", mais precisamente na última cena, o diabo sorri para as camêras e diz que seu pecado favorito é a Vaidade.
A vaidade intelectual então, é  MENOR e  PIOR, essa sim fere, machuca e decepciona. Ela é pequena e beira ao rídiculo. A questão é, que normalmente ela só é constatada quando a pessoa se mostra, assim como um cancêr.
Fazer o que não é?

A palavra mesmo quando vinda da honestidade do coração, é pelo vaidoso, distorcida, julgada e condenada. Quando se fala em Amor então, é pior ainda!!
 O vaidoso não sabe receber palavras de Amor, ele não sabe o que é isso!! O Amor que não pede e nem quer nada, o Amor incondicional, ele só O sabe em seus belos discursos, e em suas articuladas escritas, mas ele não sabe receber, a vaidade o ensurdece,
ele não tem ouvidos de ouvir, e pior ele sexualiza o que nem nunca teve a intenção, e ainda fala para todos os seus, como se fosse a vítima de uma percepção distorcida.
É ridiculo isso não?

Recentemente, passei pelo doentio julgamento de uma mulher extremamente vaidosa e infantil, a quem declarei o meu amor, e é uma pena mesmo, pois ela tem bom coração. Mas, a vaidade...
E alías o declarei publicamente, pois ali nada havia de vulgar, intencional, e muito menos sexual, só havia a beleza do amor que nada quer, ou intenciona, apenas se conecta.
É engraçado, as pessoas tem um discurso, completamente diferente da sua conduta, e não se preocupam em te machucar quando você só está sendo sincero, - e na sinceridade não cabe a dualidade.

Cada um viaja na onda que mais lhe apraz, e que é mais condizente com a pequenez de sua vaidade, ou com a liberdade e amor de seu coração sincero e reto.

Enfim, como as coisas da vida tem mais força quando são boas e simples, recentemente também, estava eu andando a caminho do meu carro quando vi no chão um caderninho. Um caderninho de capa dura azul, com um mangá (desenho japônes) na capa.
Eu entrei no carro com o caderninho na mão, e comecei a folhea-lo para ver se achava alguma identificação e nada!! Não havia identificação, ou nome de escola, ou algum número de telefone.
Fui prá casa, tempos depois peguei o caderninho e comecei a lê-lo. Tinha ali somente um nome: Isabela.
Isabela era o amor da vida do dono daquele caderninho, e confesso que quando li a primeira página fui até o fim. Ali ele descrevia seus sentimentos, suas inseguranças, o dia em que a Isabela seria o seu par na Festa Junina, Isabela!! Isabela!! Isabela!!
O último relato do garoto era que ele iria naquele dia encontrar-se com Isabela em frente ao Mac Donald's de um dos shoppins aqui da minha cidade, e ele descrevia sua felicidade e insegurança referentes a sua bermuda verde garrafa, e a camiseta de camuflagem do exército.
O garoto queria estar bonito prá encontra com seu amor ( e eu a essa altura já estava derretida de ler tanta coisa bonitinha!). O encontro era às 16h, e ele escreveu que chegaria mais cedo.
Era domingo, e quando dei por mim eram 15:30h. Me vesti, e fui voando até o local com o caderninho na mão para encontrar o garoto. Cidade de interior, domingão, é difícil achar uma vaga no estacionamento. Pulei do meu carro e corri até o Mac Donald's para encontrar o menino antes da Isabela chegar, e me dei bem. Ele estava lá, todo lindo, com a roupa planejada, gelzinho no cabelo, um sorrisinho meio nervoso de quem espera coisa boa, e eu o abordei com o velho e bom; - Oi, e aí, tudo bem? - O garoto apesar de nunca ter me visto sorriu e retribuiu ao cumprimento.
Tirei da minha bolsa o caderninho e entreguei a ele, o garoto arregalou os olhos e deu um sorrisão.
- Onde estava, onde você achou?
E eu lhe expliquei, contei inclusive que tinha lido tudo o que ele tinha escrito e antes de me desculpar ele disse: - Que bom que você leu, senão não saberia que eu estaria aqui hoje. Muito Obrigado!
Ele deveria ter uns treze anos, bonito menino, educado. Ele sorriu e me olhou profundamente nos olhos, de forma franca e aberta como é típico da juventude. Isabela chegou, e eu saí. Desejei-lhe boa sorte!
Fui embora, e claro me virei para trás para vê-los mais uma vez, e o que vi foi a doçura, e o amor de dois jovenzinhos se encontrando em uma tarde de domingo. O resto do meu domingo foi leve e abençoado como aquele testemunho de amor. E isso me alimentou a semana inteira, aliás alimenta até agora. E nada melhor que se alimentar de amor, ainda que não seja tua a história.
Muito Obrigada João e Isabela!


Vanda Sales
Enviado por Vanda Sales em 19/10/2007
Reeditado em 11/01/2008
Código do texto: T700915

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Vanda Sales
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
37 textos (7069 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 23:25)
Vanda Sales