Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Chuva na vidraça

Os pingos de chuva que brincaram de escorregar pela minha vidraça durante a
semana inteira fizeram o meu pensamento se elevar bem acima da montanha de
trabalhos que soterrava os meus dias para me fazer pensar em ti, pensar em
ti, pensar em ti...
Isso acontece sempre quando está chovendo. Jamais esqueço que foi exatamente
num dia como esse que o destino resolveu colocar um “algo mais” no meio
daquela nossa amizade tão bonita. Naquele dia chuvoso (que ficou guardado na
minha lembrança) eu descobri, num segundo, que nos teus olhos brilhava
precisamente aquela cor que eu mais gostava. Descobri mais ainda: que as tuas
mãos, que tantas vezes me ampararam nos momentos difíceis também sabiam
fazer os carinhos que eu estava precisando com tanta urgência. E o resto foi
acontecendo naturalmente...
A nossa amizade se transformou no sonho mais lindo que alguém poderia
sonhar. E nós dois aproveitamos aqueles dias chuvosos para fugir do mundo e
descobrir, um no outro, tantas belezas e tantas afinidades. O tempo parou: esquecemos
compromissos, deixamos os telefones ficarem roucos de tanto gritar e sumimos completamente do mapa das nossas ações costumeiras. Então saboreamos aqueles momentos sem pressa, sem perguntar até onde aquela magia nos levaria e quanto durariam
aqueles momentos indescritíveis de felicidade e prazer...
Um ditado antigo já havia nos avisado que “tudo o que é bom dura pouco”. A realidade nos fez acordar daquele sonho. Aos poucos nós voltamos para a nossa rotina
repleta de falta de tempo para os projetos pessoais. E, por causa das outras
paixões menores que durante todos os tempos sempre dominaram os nossos sentimentos, terminamos adiando e readiando a continuidade daquela paixão fulminante. O sonho não
terminou. Mas ficou perdido no meio da neblina de uma imensa saudade. E hoje só volta
aos nossos corações quando uma chuvinha começa a tamborilar ritmada nas
vidraças das nossas janelas...
Hoje já nem sei mais qual o sentimento que sinto por ti. Só sei que ele não deve
ser chamado de “amizade”. Nas minhas horas de solidão, eu sinto vontade
de esconder todos os meus medos nos caminhos iluminados do teu olhar. E sinto mais ainda a falta do contato macio das tuas mãos nos atalhos do meu corpo tão carente de carícias. Meus lábios, que anseiam pelos teus beijos, precisam provar as lágrimas amargas
que descem licenciosas dos meus olhos, vidraças molhadas onde não tamborilam
os pingos da chuva.  O tempo vai passando e, com suas armadilhas, nos afastando cada vez mais. Quando os nossos olhos conseguem se encontrar, por alguns rápidos instantes, emitem aflitas mensagens que somente as nossas almas conseguem decodificar. Nestas mensagens, nós falamos de dias chuvosos, de pingos na vidraça, de carícias plenas e desta saudade que sufoca as nossas almas...
Milton Souza
Enviado por Milton Souza em 11/11/2005
Código do texto: T70243
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Souza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
67 textos (5902 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:40)
Milton Souza