Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

terrinha


Terrinha

O Povo de Jaú é conhecido por ser bairrista e tradicionalmente  orgulhoso  e até preconceituoso e  supersticioso. Há muitas histórias a respeito no passado da cidade. Por exemplo: existe uma fonte de água na região central da cidade que antigamente era usada como bebedouro para cavalos e montarias. Dizia o ditado que quem fosse a Jaú e bebesse da água do “Cano Torto” iria voltar à cidade. Sei que na minha infância e adolescência tomei muito da água do “Cano Torto”. Talvez por isso essa ligação quase umbilical com esta cidade. Como bons Jauenses, eu e a Solange também nos enquadramos ao perfil. Todos os anos procuramos visitar a cidade e rever parentes e amigos pelo menos duas vezes por ano, sempre valorizando os progressos alcançados pela cidade. Como inauguração do primeiro Shopping Center da cidade, abertura da primeira loja do Mac’Donalds, dentre outros. Em uma dessas  ocasiões, ocorreu uma passagem digna de nota. Já estávamos na rodovia Jaú - Brotas, iniciando o retorno a São José dos Campos, quando a Solange repentinamente pediu que eu diminuísse a velocidade e parasse numa área marginal em obras na rodovia. Em seguida, saltou do carro e começou a recolher torrões de terra. A região de Jaú é formada por solo de origem vulcânica, formado predominantemente de basalto e diabásio, o que lhe dá uma cor vermelha característica e o nome de “terra roxa”. Solo muito fértil que foi a marca da cidade na época do café, hoje substituído pela cultura da cana-de-açúcar que prevalece em toda a região e se estende até a região de Ribeirão Preto.
Voltando à nossa história, a boa quantidade de terra recolhida pela Solange seguiu conosco para São José dos Campos. Chegando em casa, a Solange colocou o material peneirado numa compoteira de vidro transparente, formando um terrário. A peça foi colocada em um local de destaque na estante da sala de casa. As pessoas que nos visitam, desavisadas imaginam tratar-se de pó de café dado à semelhança na coloração. Sempre que possível, mostramos a peça e a narrativa de como foi preparada.
Na verdade, sentimo-nos bem em ter na nossa casa um pouco daquele chão em que vivemos nossa meninice e momentos tão  preciosos de nossas vidas.

Lúiz
03/11/2005























A verdade é que sentimo-nos bem em ter em nossa casa um pouco  apresentamos a peça e a narrativa de como foi preparada







 
mostramos a peça possívelapresentamos explicando a história do terrário e sentimo-nos bem em ter em casa
luiz peixoto
Enviado por luiz peixoto em 11/11/2005
Reeditado em 18/11/2005
Código do texto: T70276
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
luiz peixoto
São José dos Campos - São Paulo - Brasil, 63 anos
26 textos (2004 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:56)
luiz peixoto