Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CRATERA


O corpo jaz cansado pela loucura não suprimida
As cicatrizes da existência que urge esquecer
Tudo está lá para sempre, mesmo sorrindo, mesmo avançando

Pela inveja dos que não sabem crescer
De ter vontade própria
De apenas copiarem os sentidos
Convinha fazer uma prece ao Senhor para os levar consigo
Para aquele mundo de contenção

O corpo jaz cansado e sem vontade de recuperar
Pela mente casada com o ridículo e banal
E tudo o que envolve a vida da rotina
Apenas um precipício por onde apetece fugir

E no entanto a vida continua
Dentro de camadas vegetais
Que nos entorpecem
Que nos acanham a inteligência
Por um sorriso conveniente
Apenas ir sem saber porquê...

Abriu-se uma cratera na minha alma
Avisto a lava escaldante com os seus vapores envenenados
Prestes a explodir
Prestes a acabar com a vulgar consciência dos vendidos

E apenas quero viver
Apenas quero seguir caminho pela tranquilidade
Do sopé da montanha
Olhar para cima e ver ter tempo para respirar
Sem que a cratera se encha dos medos inculcados

O corpo jaz cansado
Entorpece a mente com a infelicidade
Mas a vontade segue firme
O coração bate compassado
A alma está desencarcerada...


in O MEDO DO DIA SEGUINTE, MAGNA EDITORA 2007
Manuel Marques
Enviado por Manuel Marques em 21/10/2007
Código do texto: T703269

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manuel Marques
Espanha, 45 anos
548 textos (58971 leituras)
50 áudios (13972 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 10:49)
Manuel Marques