Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Síndrome da Dúvida

                           Síndrome da Dúvida


De certa feita entrei, com um parceiro de trabalho num destes self services de beira de estrada. O sujeito que tinha fama de bom de garfo nunca havia entrado antes em tais paraísos gastronômicos.
Fui até a pilha de pratos e talheres, me equipei devidamente para o “bom combate”, entrei na fila de comensais e cumpri com o ritual que todo mundo conhece. Estava já a dar as primeiras garfadas quando senti a ausência de meu parceiro. Procurei com o olhar e lá estava ele, parado do mesmo jeito que o vira quando adentramos o restaurante, olhando fixamente para a comida como que em estado de choque.
Levantei-me, fui até o Marcos (vamos chama-lo assim), e perguntei qual era o problema. Ele me disse que estava com tanta fome que não conseguia se decidir sobre o que comer primeiro.
Ocorreu-me que se a opção fosse só arroz com ovo ele já estaria “mandando ver”. Estes dilemas ou duvidas atrozes podem nos acometer a qualquer momento quando nos deparamos diante de muitas opções.
Esta preliminar vem muito à propósito porque de vez em quando me sinto da mesma forma, paralisado, sem ação na hora de escrever um artigo.
Diante de tantos acontecimentos, tantas notícias, tenho vez por outra dificuldade de escolher sobre qual tema discorrer.
Seria a Sindrome da dúvida ou do excesso e opções?
Esta Síndrome pode nos paralisar de várias maneiras e das coisas mais triviais às mais cruciais.
Por exemplo; o estudante, diante das várias opões oferecidas pelas Universidades pode acabar não escolhendo nenhuma, ou ao escolher continuar achando que escolheu errado.
O sujeito vai até a locadora de filmes e na dúvida leva aquela droga que não queria ou o filme da semana passada.
Às vezes encontramos pessoas de padrão de vida simples cujas vidas fluem naturalmente, sem duvidas ou dilemas, porque elas não têm opções, não há caminhos diversos a escolher.
Por outro lado podemos esbarrar com pessoas, em que suas vidas abundantes se transformaram em um inferno de angustias e incertezas.
Um milionário pode ficar sem dormir na dúvida sobre onde colocar seu rico dinheirinho: em ações da Bolsa, títulos cambiais, aplicações de renda fixa, etc.
Já o pobre não enfrenta estes dilemas, pega a grana que tem no bolso e troca por arroz, feijão, farinha ou mesmo por um pileque sem nenhum remorso.
Nos articulistas também podemos sofrer de vez em quanto desde mal. Sobre o que escrever? Política, corrupção, comportamento, educação, saúde, futebol?
Nesta hora até um tema pode gerar um artigo, a duvida generalizada ou a síndrome do excesso de opções.
Enquanto isto o relógio lá de casa avança inexorável, não dando a mínima para as minhas duvidas e dilemas.
O mundo vai se tornando cada vez mais complexo as bifurcações a cada momento testando nossa capacidade de decisão. Antigamente se resolvia muita coisa com o “unidunitê salamê minguê” , ou com o “minha mãe mandou escolher este daqui”.
Talvez, embutida nestas frases mágicas estivesse o gatilho de nossa capacidade intuitiva que com o tempo fomos perdendo e deixando de usar.
Quem sabe nossa excessiva racionalidade tenha nos conduzido a estes impasses que enfrentamos hoje?
Nossa civilização caminha em alguma zona fantasma em direção a lugar nenhum.
Qual partido político?
Qual religião?
Qual profissão?
Qual time de futebol?
Qual lazer?
O que consumir?
O que descartar?
E este universo de duvidas e incertezas poderia, talvez ser reduzidos a quatro questões básicas.
Quem somos, de onde viemos, para onde vamos e com que propósitos aportamos aqui nesta nave chamada Terra.
Se conseguíssemos responder estas à questões básicas muitas daquelas do nosso cardápio diário perderiam sua importância e poderiam mesmo serem descartadas. Isto em favor de uma melhor qualidade de vida e do desempenho do nosso potencial nesta viagem inóspita e efêmera.



João Drummond
João Drummond
Enviado por João Drummond em 22/10/2007
Reeditado em 22/10/2007
Código do texto: T704456
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
João Drummond
Sete Lagoas - Minas Gerais - Brasil, 64 anos
177 textos (33473 leituras)
3 áudios (316 audições)
3 e-livros (297 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 17:40)
João Drummond