Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paranóias Noturnas

Gasto palavras porque não posso desenhar ou cantar.

Quanta tinta será necessária até a grande sensação do Nada não se fizer mais sentir?

Meu significado de vida tem sido fumar, estudar o necessário e sentar na frente do computador atrás de algo maior.

Dentro da minha cabeça, estão as coisas menores: acima do peso, preocupado com meus relacionamentos, ódio a um ex-amigo, peito reclamando dos cigarros, medo de perder cada uma destas coisas menores.

Minha mãe e meu pai...como chegaram àquela idade sem tantas seqüelas da vida? Chegarei à idade deles como um ser humano bem pior.

Aliás, se tem algo que aprendi é que não se pode viver sem estragar a vida de alguém e por conseguinte uma fatia da humanidade. Você pode ser melhor ou pior pra humanidade, creio que eu só seja pior. Ou pior, eu seja indiferente.

Tenho sobrevivido da mesma música.

[Incomprehensible] job
He’ll never leave it now
He’s turned it all around
But honey, this job is killing me

E realmente tudo se virou ao redor.

Num sonho [Incompreensível]
Ela nunca vai te deixar, eterno.
Ela pode ver linhas que você não vê
E transar com o mundo todo, te matando.

Tive sorte de acordar com alguma faculdade mental. Fui ver minha namorada. Ela é sempre tão bonita. Não sei falo isso porque ela é gostosa ou porque gosto dela. Misturo os dois: a gente transa e eu declamo poesia em seu ouvido -  ou a gente transa uma poesia, enquanto declamo o sexo... dá no mesmo.

O resto do dia é só uma prova da solidez de nosso amor. Alegro-me.

Dias depois, enfrento o cinismo em autoformas magras. Minha namorada não vê as formas. Lembro que ela pode ver coisas que eu não vejo. Isso funde minha cabeça.

O cinismo é um falso amigo, que quer me usar como ponte para alcançar o Céu. Eu possuo mais armas que ele, sinto muito, a ponte quebrou. Mesmo sua morte é pouco, ele é um fantasma irritante, de palavras tolas e inteligência fajuta.

Fumo mais um cigarro, não posso ter medo de vultos noturnos.

Enfrento a noite, solitário. Acho que estou me tornando um insone.

Conheço pessoas e quero transar com todas elas – só que tenho medo. A liberdade de ejacular não me faz pensar em poesia. Tenho medo de perder minha essência. Viciei-me em minhas associações, em minhas limitações. Acho que elas ainda têm algo a oferecer.

A paranóia e a burrice é uma destas coisas que ganho pelas minhas associações.

Às vezes, é como ser um rico que se acostuma com o barulho dos cães à noite, pra se sentir seguro em casa.

Minhas palavras, finalmente, se desgastaram. Haverá sempre uma nova torrente de esquizofrênica divagação.
Marcelo Oliveira
Enviado por Marcelo Oliveira em 23/10/2007
Código do texto: T705838

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcelo Oliveira
Feira de Santana - Bahia - Brasil, 28 anos
43 textos (3992 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 15:48)
Marcelo Oliveira