Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NOSSA, DOUTOR!

Ninguém nasce mulher,
Tampouco homem.
Não nasce pobre nem rico.
Nem belo
Nem feio
Nasce igual,
Despido, gente!

Um “instrumento de trabalho”!

Nossa doutor!
Como o senhor está elegante!
Que belo paletó!

Certa feita, ao descer do carro o paletó enganchou-se na alavanca e rasgou-se. Arrancou a lateral inteira.
Na fila do posto bancário no interior do prédio do foro, todos me olhavam atravessado. Mediam-me e cochichavam. Em pouco tempo a fila estava agitada, um zum-zum-zum, danado. Aquilo foi aumentando, comecei a ouvir os comentários:
- “Nossa, olha!”.
- Ta todo rasgado!
- Será que é louco?
E aquilo durou enquanto permaneci na fila do banco.
Nos cartórios os comentários não eram divergentes, se repetiam.
Aqueles comentários me levaram a uma reflexão.

Aquela roupa que até dez minutos atrás era linda e cara, num passe de mágica se transformara, e transformara também o seu dono. Ambos eram agora um farrapo. Instrumento de ofensas. Todos se ofendiam com as suas presenças.
O belo paletó agora era um trapo.
 O impecável “doutor”, agora não valia mais nada só por que um inocente botão resolveu dar-lhe uma mordida?
Aquele belo e maravilhoso objeto perderam toda a sua qualidade por um mero detalhe?
E o “doutor”, que há instantes atrás era belo, bem trajado, solicito, educado, galante, respeitado, e que atraia todos a si, perdera todas essas qualidades pelo simples rasgo em sua roupa?
A banana é somente a sua casca?
O que importa mesmo na vida é o individuo ou a sua aparência?
Aquele paletó que já recebera tantos elogios, agora que se rasgara num mero acidente já não valia mais?
Já não era o mesmo?
Aquele rasgo tinha o poder de aniquilar o homem que o paletó cobria?
Qual a sua importância?
A importância daquele homem estava restrita a sua aparência?
O ser que habitava o corpo que o paletó cobria não tinha existência?
Tudo era uma ilusão?
Nossa como o senhor está bonito! Elegante...!
Todos aqueles elogios que o homem recebia trajando aquele mesmo paletó era falso?
As suas qualidades estavam restritas àquele traje?

Entendo, entendo tudo, e acho natural as reações!

“Se não existisse os comentários, não haveria manifestação”.
Se não existisse a treva, onde a luz iria brilhar?
Se não houvesse a reação, onde estaria a ação?
Para que exista o movimento, deve existir a fraqueza contra a qual ele se afirma ““.
RAYSAN DE SOUZA
Enviado por RAYSAN DE SOUZA em 24/10/2007
Reeditado em 25/10/2007
Código do texto: T707665
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RAYSAN DE SOUZA
São Paulo - São Paulo - Brasil
235 textos (45235 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 19:39)
RAYSAN DE SOUZA