Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem título, mas com muito amor


Há encontros que são coisas fortuitamente mágicas que acontecem em nossas vidas que a muda pra sempre, de uma forma ou de outra. No meu caso, o encontro fortuito que se deu há quatro anos atrás mudou tudo em minha vida de uma forma maravilhosamente bela e extraordinariamente renovadora. Mas na verdade aquele dia, acho que foi planejado por Deus; Ele colocou em meu caminho uma pessoa que fez daquele dia um marco na minha história, pois a dividiu em antes e depois dele.
Um encontro e uma vida inteira pela frente a ser vivida. A principio parecia que tudo seria normal, mas não seria. Descobrir que encontrou quem sempre procurou e desejou pra ficar ao seu lado e perceber surpreendentemente que a recíproca era verdadeira, mas saber que teria que conviver com a distancia se quisesse viver essa história, não foi fácil de aceitar. Ah, mas o amor quando quer acontecer não se importa com distancias nem se preocupa com obstáculos, ele o é incondicionalmente. E lá fomos nós vivermos essa história cheia de atropelos, desencontros, medos, desconfianças inevitáveis... Por muitas vezes parecia não dá pra continuar, no entanto já não tínhamos controle sobre nossas próprias vontades, ela era maior que a distância que nos separava, que geograficamente nem era tão grande, mas se tornava devido o tempo que era obrigado a ficarmos sem nos ver. E o tempo foi passando e o nosso sentimento aumentando e amadurecendo e a gente crescendo junto com ele.
O amor é assim, faz a gente crescer, nos torna pessoas melhores, nos fortifica e faz com que vejamos o mundo por uma ótica diferente. E o mais bonito é encontra-se um no outro, perceber que já não somos completos sem a sua presença; é conseguirmos admitir sem orgulho nenhum que precisamos dele, que não nos bastamos; mas termos consciência que não somos insubstituíveis e que apesar da necessidade de estarmos lado a lado e da certeza que não dá pra viver sem ele, não somos donos da outra pessoa, ela tem uma vida intrínseca que não pode deixar de existir por mais que se queira, e que devemos aceitar independente de qualquer coisa. E é aí que deve residir a força do amor; é ele que promove essa aceitação mútua.
Hoje ainda convivemos com a distância e a saudade, que se torna cada vez maior, mas temos aprendido muito, sofrido muito também, é claro. Acho que o que nos mantém firmes e fortes (feito gelatina!) é a certeza de que isso um dia vai acabar e que ficaremos juntos pra sempre.
Olhando pra trás hoje, não consigo lembrar-me do dia em que eu ainda não o amava, acho que o amei desde o primeiro instante, mesmo que inconscientemente. Vivemos durante esse tempo uma sucessão de agoras, de momentos interrompidos, de vontades e desejos reprimidos que aos poucos vão acumulando muitos momentos a serem vividos e convividos, não deixando a vida sem expectativa. Há tanta coisa pra vivermos ainda, tanto para descobrimos, que a vida se torna cada vez mais fascinante! Há também muita coisa a ser escrita sobre esse amor que só me faz melhor, mas por enquanto vou apenas vivendo e deixando que as palavras fluam quando não der pra guardar só no meu ser e precisar urgentemente alardear ao mundo o quanto ele me faz feliz.
Que esses anos sejam apenas ensaio para todos os anos que teremos pela frente!
Virginia de Santana
Enviado por Virginia de Santana em 26/10/2007
Código do texto: T710653
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Virginia de Santana
Anísio de Abreu - Piauí - Brasil, 36 anos
192 textos (35178 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 13:43)
Virginia de Santana