Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vida de Leão. Ah, que vida!


O leão faminto anda pela floresta, lentamente, pata após pata, seus músculos rígidos mostra a sua força, sua juba balança, ora com o vento, ora pelo balançar de sua cabeça, ora pelo bater do vento. Então sua boca se abre mais e mais e assim se  percebem suas enormes presas e a dimensão da boca. Logo a seguir sai um som fortíssimo e faz estremecer tudo em sua volta. O seu urro a deixar clara a sua majestade.
Em outra parte da floresta estava um simples e humilde coelho, feliz com sua alimentação em fartura, pois não precisava correr atrás de sua alimentação. Mas, isso não o deixava mais lerdo ou sequer menos inteligente que os outros animais, pelo contrário o coelho é um animal muito esperto e ágil. Porém aquela tarde feliz estava para se tornar em um terrível pesadelo, pois se aproximava do local o rei da selva.
Em determinado momento, a natureza apresentará um quadro maravilhoso. Digno de contemplação, uma aula exposta sobre mundo animal, porém terrível e muito triste. O leão abençoado pelo vento percebe a presença de seu almoço e imediatamente ocorrem várias mudanças no intimo do rei, seus instintos o transforma num animal cruel, impiedoso. Começa a andar de forma mais lenta e rasteira, com os olhos, brilhando, fitos no coelho, vai chegando cada vez mais perto... O coelho não pode sentir sua presença. Tem que ficar alheio a tudo, distraído com sua felicidade simplória!
Um galho, apenas um galho seco, esse galho! Mais que galho!!! Um galho salvador! Um galho traidor! O leão não viu esse galho. Tão seco, tão pequeno, porém barulhento, delator, fofoqueiro, intrometido. Foi isso sim, que pensou o leão. Pois por causa desse galho o coelho teve chance de defesa. E, começou a correria. Corre daqui, corre de lá, pula aqui, pula acolá, se estica daqui, se estica de lá. O coelho estava com o coração na mão. Suava e tremia, mas não desistia de viver. Meu Deus, será que eu não vou escapar desse leão... De repente os olhos do coelho mostram a salvação: um buraco, um pequeno buraco, sim um buraco, mais é a minha casa,  poxa!!! Então com um maestroso pulo entra na sua casa, porém o leão chega bem perto, mais pertinho mesmo, chega sentir o cheiro... Mas não come.
O leão desolado pára e pensa. Um pensar que dá inveja. Ele se vê e se julga. Então resmunga: se eu fosse um coelho, agora estaria dando pulo de alegria, estaria fazendo digestão e se preparando para outra alimentação, deitado daria graças a Deus e dormiria o sono dos inocentes. Que me adianta a ostentação! Ter tudo e todos me temerem. Que me adianta ser rei se não posso ter a vida de um coelho!
Jair de Oliveira
Enviado por Jair de Oliveira em 27/10/2007
Código do texto: T711740

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jair de Oliveira
Corumbá - Mato Grosso do Sul - Brasil, 56 anos
154 textos (6650 leituras)
3 áudios (85 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 18:58)
Jair de Oliveira