Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O mundo recompensa os que sonham

     Se quiser falar comigo ligue dois. Para falar com a Central de Relacionamento ligue dez!   A moça da televisão por assinatura está ao telefone fornecendo esclarecimentos e poucas imagens.  Obedece ao pacote que luta pelo fim da monotonia dos  dias se arrastando e todos na casa querem dar conselhos. Trata-se de alguém especial,  afinal telefonista da televisão possui encantos. Voz bonita, mesmo zangada. Não nos deixe sem  os Sompsons! Não perturbe!  Queremos assistir!  Alguém gritou histérico na escada: ”ligue já!” Entre o ruído de novela da vizinha provocando inveja.  Calmo, metódico,  J. Carlos fez parar a turba da sala com simples gesto de silêncio.  Compreender é tudo!   Há um povo trabalhando e suando para o conforto do lar.   Foram para a biblioteca e alguns ficaram espiando na saleta o sexagenário pai ao telefone.  Prezado cliente para maior segurança estamos gravando tudo. Gravaram:   “Hoje, mocinha,  uma novidade vai sacudir a monotonia dos seus dias arrastados: a conta está paga!   Quer saber?  Eu  não durmo sem assistir as piores notícias do mundo. Está vendo?  Isto vai afetar o  relógio biológico da família inteira. Estamos  girando em torno do aparelho como  gaivota sem ilha.  Assim jamais ficaremos sabendo se os pólos chegaram no palito de vez como picolés!  Não adianta congelar os canais prediletos, os pólos continuarão derretendo como o gelo no uísque de sábado e nós continuaremos sem sinal”.  Tudo para maior segurança. Degustação?
          A moça se esforçava para admitir que tudo não passava de  um mal entendido,   engano técnico, afinal o  pacote original estava totalmente descaracterizado. Entrava e saía do ar novos canais sem que quisessem.  J.  Carlos reagiu de modo inesperado. Manteve os filhos afastados,  a mulher e a sogra na biblioteca. Tomado pelo rio escuro e abissal do  luto repentino chorou lavando o canto seco  da imaginação. Sinto muito,  estou chorando pela falta da novela. Estamos no zero oitocentos,  conte-me  um pedacinho.
         Ninguém  viu, mas J. Carlos fez  beicinho.
         A  mulher reclamava da ausência das novelas na TV por assinatura, mas logo providenciaram.  Tudo não passava de  ironia com J. Carlos teimando. As novelas  ainda não haviam desembarcado nesse mundo  de interdições da comunicação mais  cara.
         Zanza era  mulher com intuição da oferta e da procura. Quando moça, ainda nem conhecera J. Carlos, sonhava  ser telefonista de telemarketing em pleno plantão.  Para ela toda jovem guardava em si um potencial para atendente. Via nisso algo de  arte rara e comovedora: Bip! Alô! Alô!  Aqui é  Mara Viu Filha  estou passando ligação para...  Você é  especial.  Leitores! Atentem para a vida das moças de telefone. A candura compensa tornando-as  célebres da paciência em alta.  J. Carlos estava virado num telemaníaco repuxado e feio. Contido, educadão, mas  distraído.  Sabia que os tempos estavam mudando e que não adiantava bater nas laterais do aparelho para  entrar no ar como fazia durante a guerra. Levaria o caso da  assinatura para o Almeirão, psicanalista da mulher. Foi um susto! Precisou adquirir  outro pacote para assistir os canais de sempre. Queria novelas. Novelas. (Psicanalista) “... Na memória regressiva existe a função totêmica”.  Tentou pelo menos melhorar a lamentável dinâmica verbal da mulher sem os  canais prediletos. Buscava em si a  melhor compreensão da  própria natureza tecnizada.  Dias depois Zazá passou  distante do aparelho. Conectou as nádegas na cadeira do computador permanecendo ali em  navegação solta e fresca.  Sentiu a dimensão do fato, precisava contar aquilo ao J. Carlos. Pela primeira vez em dez anos havia recusado o sofá, tampouco  roído unhas durante o novo capítulo de  algum drama refinado. Em seu novo plano sonhava somente  com novelas na frente da televisão por assinatura.  Sem saber a razão e diante do micro  sem televisão desabou em pranto.  Sempre o mesmo  J. Carlos lhe disse: Você está chorando  Zazá. Não ligue. O mundo recompensa os que sonham...
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 29/10/2007
Reeditado em 29/10/2010
Código do texto: T714685
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent.) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 54 anos
1630 textos (61377 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 16:17)
Tércio Ricardo Kneip