Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                                                            

( gravura de Rosy Beltrão / site clips poema)

http://www.clips-poemas.com/rosa_pena/madeintaiwan.htm


Made in Taiwan


Rosa Pena

— Só tenho hora nas segundas e bem cedo; decretou Maurício.

Era numa Travessa antiga no centro da cidade. Lugarzinho deveras perigoso para alguém ir só, às sete da manhã.Não tinha onde deixar o carro e para se chegar lá, tomava-se duas conduções.

Bem, era o dentista da confiança dela, então era pegar ou largar.

Topou o tal horário maluco.

Marcelo, o marido, numa demonstração de preocupação, resolveu que a acompanharia.

Ela nunca havia ido pra aqueles lados, então aquilo soou como uma novidade.

Achou o maior barato essa aventura.

Acordava às seis da matina, um banho ligeiro, um café preto rápido.

Na tal Travessa; o consultório, uma confeitaria e um sebo com um monte de “vinil” e livros.

Assim que acabava a consulta, a confeitaria começava a abrir as portas e vinha um cheiro delicioso de pão doce. Uma tentação para quem estava em jejum.

Experimentou no primeiro dia, após a consulta, fazer seu desjejum ali.

De lá viu o dono do sebo levantar as portas.Outra tentação aquele vinil do Elvis bem ali na sua cara.Não resistiu e atravessou. Começou a conversar com seu Abel, o dono do local.

Naquele primeiro dia, voltou feliz com o coração aquecido pelos pãezinhos recém saídos do forno e debaixo do braço veio uma raridade do rei do Rock.

Virou hábito, virou prazer, estas idas ao dentista.Tinha o depois.

Seu Carlos, dono da padaria, ficou íntimo e dava fatias de bolo de laranja, biscoitinhos. Não cobrava, dizia que o sorriso dela bastava.Ela adorava a doçura deste carinho.

Abel, lá do sebo, acenava mostrando algum álbum especial. Já sabia que ela era fã dos Beatles e tinha fascínio por blues.

Marcelo achava tudo aquilo um saco.Ficava impaciente com aquele “bendito” apetite, com o tal entusiasmo na velharia do sebo.Tinha uma pressa danada em voltar pra casa.

Ela nunca soube o motivo da pressa dele, pois quando chegavam em casa, ele apenas lia o jornal.

Aos poucos, aquilo que era um programa delicioso, virou pesadelo, tamanho o mau humor de seu acompanhante.

Então desistiu do prazer.Resolveu sair do dentista e correr pro metrô.Sempre silenciosa não mais de mãos dadas, afastados, ofegantes.

Dois estranhos numa cidade louca.

Seu Carlos algumas vezes acenou e Abel chegou a perguntar pelo sumiço.Inventou urgências que não existiam.Como dizer a alguém que abriu mão de seus pequenos prazeres para atender aos caprichos de um amargurado?

Ir ao dentista virou sacrifício.Um estresse acordar cedo e voltar correndo pra tomar um “nescafé” com pão de forma dormido na cozinha de casa, com ele lendo os jornais cobertos de sangue do cotidiano carioca.

Este sacrifício só foi interrompido por um maior.Virar acompanhante de Marcelo no hospital, enfartado entre a vida e a morte. Será que enfartou com as noticias do jornal!?

Naquele corredor sombrio lembrou do cheiro do pão bem fresquinho e das capas amareladas dos vinis.Não seriam essas, as medidas preventivas para conservar as safenas?

Pena que o homem contemporâneo tenha perdido a liberdade de ser feliz.

Ou será que os corações andam vagabundos? Made in Taiwan.


 

 livro UI!

imagem do site clips poema / Rosy Beltrão

Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 29/10/2007
Reeditado em 16/09/2008
Código do texto: T715214
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
969 textos (1533738 leituras)
48 áudios (24808 audições)
33 e-livros (29505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 13:09)
Rosa Pena

Site do Escritor