Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Criador de crônicas

     Passeava  pela inconsciência das tardes criando crônicas.  Adotou em seu coração a pequena cidade de interior urbano para viver dessa contemplação exclusiva.  Passou por ali  como caixeiro viajante  sem compreender em si mesmo que jamais retornaria. Sua passagem de volta restava no armário entre papéis avulsos.     Morava em casa de aluguel. Quando percebeu já estava amigo daquela  cidade nova e  estranha. Vivia na casa vazia onde  a nostalgia era  branca e o silêncio colorido  pela passagem dos anos.  Nela se tornou um criador de crônicas.
       O vizinho lhe contara sobre o antigo morador que trabalhara num circo pobre.  Por razões desconhecidas o palhaço Turlupin partiu sem  adeus, como no sumiço  da crônica,  deixando  os   pertences  de ofício: algumas bolas coloridas, argolas, roupas largas, sapatos enormes, apitos e a famosa  corneta que bastava assoprar para expelir água amarela da cor do ouro.  A soma de todos os pertences cabiam em três caixas  que agregavam no tempo  força irresistível.  De fato: passaram-se dois meses e o dono do circo retornou vestido com o luto na alma. A segunda esposa havia falecido num acidente de carro.  As caixas foram-lhe  devolvidas em perfeito estado.
      Havia muita crônica nos detalhes desse passado.  Detalhes  que ele seguia recolhendo por onde andava. No quiosque ou  no táxi. No armazém de secos & molhados ou na barbearia do barbeiro louco.  Decerto um menino lhe assaltara quando furtou o nariz de borracha vermelho de Turlupin das caixas em sua curta narrativa. Nesse dia decidiu que desceria até a escuridão da garagem e espiaria os objetos do morador.  Sem que uma dor aguda lhe atacasse o peito  transformou palavras em ações.  Sentado no chão gelado começou a vasculhar o ventre das caixas.  Abria com cuidado cada uma delas para vencer o tédio hermético da noite. A noite feia e fria. Vestida de vento marinho e lacustre uivando entre o mar e a lagoa. Estava errado, muito errado. Jamais havia furtado e muito menos ferramenta de trabalho. Passaria por ladrão. Considerou o fato de que o dono não notaria a ausência do nariz cênico de plástico vermelho.
         Indeciso com o argumento  rasgou a folha  do dia.  Ninguém criaria uma crônica satisfatória sem ter vivido num cinema localizado  na praça com palmeiras.  Cinema vitoriano adaptado em teatro sendo o único  sucesso das noites glaciais. Havia um público cativo que ruidosamente assistia aos filmes de faroeste batendo os pés na hora em que o mocinho cometia as piores injustiças.  O cinema naquele município com palmeiras era a única alegria. Um prazer oasiano.
    Com o passar do tempo conheceu detalhes sobre a concorrência entre o circo e o cinema. O circo de Turlupin começou a atrair o povo,  pelas gargalhadas que arrancava,  tanto que ninguém lembrava das películas expostas nos cartazes. Tornou-se necessário criar medida preventiva.   Cometeria a crônica  com tais argumentos. O cinema vazio acabou por ceder o palco para memoráveis apresentações do espetáculo mambembe.  O povo   esperava em filas enormes o início do espetáculo,   para ocupar as arquibancadas  de tábuas flexíveis com o  corpo entregue as fantasias de Turlupin.  Os acionistas do cinema se renderam  apertando a mão  do palhaço no mês de chuva torrencial quando a casas costumavam ficar lotar graças a  beleza de Sofia e a genialidade de Totó. Todos ficaram sem  cinema e sem saudade durante o período de Turlupin. Quando o contrato acabou  o circo partiu.
     O cronista estava satisfeito.
    Tempos depois o  cinema apagou suas luzes  e  tampouco havia circo. O cinema apagado cedera lugar as locadoras  que foram apontadas como responsáveis pelo esvaziamento dos sonhos coletivos. Todas as tentativas de levar público ao teatro fracassaram sem Turlupin.  Quem sairia de casa no denso frio polar  para assistir a seminus na tragédia grega? ... que falta  faz um palhaço na vida dos homens. Turlupin havia atingido o ponto alto da natureza memorável.
Tércio Ricardo Kneip
Enviado por Tércio Ricardo Kneip em 30/10/2007
Reeditado em 29/10/2010
Código do texto: T716113
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Poupança Caixa 01300004936-1 ag.0693 SVP. Doe já 0 .10 cent.) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tércio Ricardo Kneip
Santa Vitória do Palmar - Rio Grande do Sul - Brasil, 55 anos
1630 textos (61594 leituras)
2 áudios (78 audições)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 23:05)
Tércio Ricardo Kneip