Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os meninos que perderam


O sentimento é de pena, algumas vezes revolta e uma insuportável incapacidade para o ato da cura, porque é doença grave, contagiosa e fatal essa violência que se abateu sobre nossas ruas, nossas esquinas, transbordando sob nossos pés o sangue da nossa cidade maravilhosa, ainda assim cada vez mais maravilhosa, mas também cada vez mais vermelha, antes de comandos, agora de líquidos que escorrem como lágrimas de medo e angústia. Nossos meninos inocentes cada vez menos inocentes, amarram camisas na cabeça, escondem os rostos, apontam armas, nos chamam de tia, de tio e falam “perdeu, perdeu”, e eu me pergunto: quem perdeu? Quem poderia perder mais que eles? Perderam a infância, a inocência necessária, a generosidade construtiva do ser humano, o simples viver. Não brincam, não estudam, não crescem, não conhecem o amor, nem nunca conhecerão, não há tempo para eles, precisam agir e rápido porque o sinal vai abrir, porque vamos correr, porque a polícia pode chegar, porque a vida assim quer. Quando os avistamos, logo atravessamos a rua, coração acelerado, vamos em frente e arriscamos olhar para trás para ter certeza de que dessa vez nos livramos deles, levantamos o vidro do carro e olhamos para o outro lado, fingimos não ver, e seguimos em frente acreditando que hoje escapamos deles, um dia após o outro, cada vez mais evitamos os meninos sem amor, os meninos que perderam, mas que insistem em dizer “perdeu... perdeu”, por Deus... quando dormem sob as marquises ou não, com o que sonham? Os meninos na minha infância brincavam de “polícia e ladrão”, os meninos que perderam vivem de “polícia e ladrão”, porque tem pressa, não há tempo para eles, não dá mais, se foi, que pena... perdeu.
Cristina Nunes
Enviado por Cristina Nunes em 14/11/2005
Reeditado em 24/10/2007
Código do texto: T71702

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cristina Nunes). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 59 anos
421 textos (32644 leituras)
9 áudios (1002 audições)
2 e-livros (97 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:36)
Cristina Nunes