Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COMO VOCÊ É INTERESSANTE !

Uma jovem mulher, numa tarde cinzenta de inverno, saiu para comprar pães numa padaria próxima a sua casa, antes mesmo que pudesse entrar na padaria um jovem senhor de estatura mediana, moreno, feição suave dirigiu-se a ela e disse:
-Como você é interessante!
Com essa frase que mais parecia um slogan deu-se início uma história de amor bonito e comovente, em que me ponho a contar.
-O homem de quem falo havia saído de um casamento a pouco tempo e a jovem mulher de um compromisso de noivado. Ambos não estavam preocupados em encontrar alguém e sim viver no momento a sua solidão; que é natural aqueles que perdem um grande amor, pelo menos o que achavam dos seus relacionamentos.
-Naquele dia o destino resolveu juntá-los, como se houvesse ali um motivo muito forte de encontro, de trocas. Desse dia em diante, então, aquele casal não quis mais separar-se um do outro. Havia um enorme carinho, uma cumplicidade, um prazer incomensurável de está junto, de programar algo. Isso servia de admiração a todos. Não precisou muito para que o convite fosse feito para morarem juntos, coisas que ocorrem e não se explica, apenas se vive.
Tudo correu muito bem entre eles na nova vida. Costumavam caminhar juntos, saírem para dançar, jogar dominó, xadrez com os amigos como também conversar as tardes na varanda, ler bons livros trocando conhecimentos. Uma união agradável onde se podia sentir que se tinha muito para dar e para receber.
Tanto um quanto o outro pareciam estar esperando caminhar juntos aqueles belos e tenros dias.
-Com pouco tempo depois em que estavam comugando tão grande harmonia, algo veio a acontecer.
Certa noite, exatamente pela madrugada ele acorda pálido e suando e pede a sua ajuda, ela levanta e vai até ele e sente que ele desfalece em seus braços.Ao socorrê-lo fica sabendo que ele estar muito doente. Apesar desse curto tempo de vivência ao lado dele, ela mostrou-se carinhosa, presente a todo instante. Dias chegam para eles como uma chuva forte com trovões e relâmpagos.
A doença covardemente, traiçoeiramente foi-se chegando, se portando como uma verdadeira rival incondicional daquele amor.
Logo, o jovem senhor foi obrigado a se internar, tamanha a gravidade que lhe abatia. Sua amada ficou em sua companhia constantemente e com uma dedicação exemplar. Foi toda encanto e magia que uma esposa pode ser ao lado do homem que escolhe para amar.
Ah! o amor, só o amor pode e sabe as grandes proporções de se dar.
Mesmo doente ele pedia que o arrumar-se, queria parecer bem para ela, desejando ser o mesmo do primeiro dia, apesar da visível perda de cabelos e a irritabilidade trazida pela doença e ela por sua vez desperta-o dizendo que ele acordou mais belo do que o dia anterior e abraça-o fortemente.
Ao sair do quarto por alguns instantes, chora e lamenta a sorte, porém, ao entrar novamente ao quarto disfarça para não deixá-lo pensativo, jogado a sua sorte. Na realidade ela sabia muito bem onde tudo ia chegar e com certeza precisava ser forte.
Ele a olha demoradamente e agradece a tudo, devolvendo-lhe o carinho com um sorriso.
Assim, se passaram alguns meses numa incessante luta pela vida, contra aquele mal que havia se instalado entre eles.
Uma manhã ele olhou para ela por alguns instantes; instantes que pareceram eternos, e pede que ela se aproxime.
Com um olhar profundamente significativo, com a voz sussurrando, balbuciou: Querida como da primeira vez, como você é interessante!
Ela pegou em suas mãos olhando-o nos olhos da alma, nada disse, passou as mãos no seu rosto, beijou-lhe a fronte e respirou descompassadamente solvendo a sua tristeza. Em meio ao silêncio houve um discreto sorriso, uma promessa, e um perfurme suave toma conta do quarto.
Nunca tiveram tão próximos, tão amantes, nunca prometeram tanto sem palavras.
Após isso, ele adormeceu completamente.

 
Ecila Yleus
Enviado por Ecila Yleus em 01/11/2007
Reeditado em 10/12/2008
Código do texto: T718437

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ecila Yleus). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ecila Yleus
Recife - Pernambuco - Brasil, 64 anos
328 textos (10435 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 09:50)
Ecila Yleus