Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A AVÓ DESNATURADA

                            =  A AVÓ   DESNATURADA   =



DE  SMELLO


     O posicionamento social nos dias atuais é extremamente diverso de outrora. Hoje não há respeito entre os cidadãos, criou-se a menta-
Iidade de que cada um se defenda como puder, aproveite o momento que pode não retornar. É tão ampla essa atitude que alcança a popu-
lação em todas as idades.Decorrem daí os conflitos, as vezes incontor-
náveis.

     Dulcinéia na verdade era uma senhora apresentável, suas amigas e colegas dispensavam consideração e apreço, mas ela nem sempre
correspondia, por ser excêntrica, excessivamente vaidosa e tomar ati-
tudes extremadas, por isso mesmo, todas tinham cautela com a sua convivência. Entretanto, permanentemente, sorria, era brincalhona, preparava uma surpresa para as colegas que  quando chegavam a
perceber, já estavam submissas à tramóia que planejara.
     Naquele dia Dulcinéia chegou muito cedo à academia para fazer gi-
nástica, guardava uma fisionomia de intensa preocupação, semblante
fechado, sorumbática e uma discrição fora do comum. Não deixou de
cumprimentar as colegas e as professoras, a fez, todavia, de forma protocolar, sentou-se numa cadeira e começou a preparar-se para aula. Umas e outras colegas, começaram a perguntar entre si, o que
há com ela. A cara de poucos amigos não facilitava aproximação, capaz de identificar a sisudez. Usara uma maquilagem proposital, que a tornava mais impressionante. Era aficionada por animais.

     Uma das colegas, dessas que são solicitas e prestativas, resolveu ir ao seu encontro, sentou-se ao seu lado e começou a conversar, até
que chegou o momento de indagar o que estava havendo, por que de-
monstrava tanta apreensão. Dulcinéia relutou em informar, mas grada-
tivamente foi revelando, que ia ser avó de trigêmeos, o que a inquieta-
va com o sucesso do nascimento.

     A amiga e colega foi logo lhe tranqüilizando, hoje em dia é uma parturição quase normal. Com a inseminação artificial  os obstetras ganharam muito experiência, não há que se preocupar. A notícia correu rápida entre as demais e começaram as indagações a respeito:
Ela fez pré-natal; vai fazer cesariana; em que hospital vai dar a luz?;
já compraram o enxoval; e o pai está se sentindo orgulhoso; a mãe fez ecografia; são homens ou mulheres, ou diversificados, e assim por diante.

       Dulcinéia já trazia em sua cabeça todas as resposta que daria, começou dizendo que esse negócio de pré-natal era desnecessário, porque antigamente não havia nada disso e os filhos nasciam com saúde, depois, que não, vai ser parto natural, a natureza é pródiga
Nesses momentos, que nasceriam em casa, comparou como as índias tinham seus filhos nas tabas de cócoras ou as vezes no leito de um riacho, nada de enxoval iriam crescer como vieram ao mundo, o pai está em severa vigilância, achava que a tal de ecografia fora uma invenção para ganharem dinheiro, tanto fazia serem machos ou fêmeas, porque a balburdia, e a sujeira que iam fazer independia do sexo, pior mesmo para ela decorria do aumento das despesas em casa com mais comida para os três, que na sua conceituação a mãe era uma “piranha”, pois a outra que lá estivera oito meses não se preocupou com isso e  aquele logo em três meses arranjou três de uma vez só.

     Todas ouviram caladas e melindradas com os conceitos manifesta-
Dos por Dulcinéia  e a colega da ginástica mais idosa, de 62 anos não se conteve e dirigiu-se aos presentes dizendo: Isso é o sinal dos tempos de hoje, a mulher quando chega a certa idade não quer pensar em ser avó, porque todos comentarão ali vai a “vovozinha”  e ela se sente menosprezada na vaidade feminina, diz até que perde a sua “silueta”. Pois eu tenho orgulho de ser avó de seis netos.

      O conceito geral se fixara, que Dulcinéia poderia ter esse tipo de
comportamento,mas não deveria causar inquietação ou mesmo apreen-
são em nenhuma de suas amigas ou colegas, traumas que se transfor-
mavam em revoltas.

     A esdrúxula situação de Dulcinéia ficou mais comprometedora quando disse que tinha de se retirar ligeiramente porque marcara salão de beleza para fazer as unhas dos pés e das mãos e tingir os cabelos. A colega obsequiosa lhe aconselhou, não é melhor ira para casa, podem estar precisando de você e sua presença nesse instan-
te é imprescindível.

     Ela nem deu a menor importância, manobrou o carro e rumou em direção ao cabeleireiro. No salão contou a mesma novidade, todas cumprimentaram e fizeram as mesmas perguntas na academia de ginástica. Dulcinéia com as respostas na ponta da língua foi transmi-
tindo as informações às curiosas. Causou como antes um impacto censurável e uma freguesa, como a anterior lhe disse: a senhora não passa de uma AVÓ DESNATURADA.

     A novel avó pouco se importou apanhou o carro e foi para casa, no portão a nora lhe esperava, dando a notícia: já nasceram, tudo trans-
correu normalmente, não houve qualquer problema. Dulcinéia mano- brou o carro outra vez, dando marcha-ré, indo direto para a academia  fazendo-se anunciar, “OLHA PESSOAL JÁ NASCERAM MEUS TRÊS NETOS, TUDO BEM, ESTÃO SADIOS E FORTES”.
      Uma delas se adiantou e lhe perguntou são homens ou mulheres, Dulcinéia retorquiu, não sei, ainda não se pode ver. Dizem que um é mais verdinho do que os outros. E para se ter uma confirmação e verificar: o que tem uma colherinha em volta do pescoço é macho.
A colega lhe disse porque não pegou para identificar se tinha a cole-
rinha.  Se você quiser, eu a levo lá, tendo coragem de pegar nos bichinhos, posso lhe garantir que tanto o papagaio pai, como a mãe vão lhe furar todo o braço, com picadas tão violentas que ficarão iguais a uma peneira, toda cheia de furinhos...
smello
Enviado por smello em 01/11/2007
Reeditado em 03/04/2008
Código do texto: T718499

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
smello
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 93 anos
188 textos (22039 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:52)