Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O REI FRANCISCO TONDORÔ

Assim que o dia amanhecia ele descia para o comércio. O saco de estopa e várias mochilas penduradas no ombro, voltadas para as costas. Uma pasta preta com aspecto de relíquia de lixo, a tiracolo. Passava sério e simpático, elegante. Bom dia! Bom dia para cada um, ele dizia.
O comércio fechava para o almoço. Ele subia de volta. O saco e as sacolas quase até a metade. A pasta, não! Segundo Tondorô, a pasta continha só documentos: ministeriais, presidenciais, das autoridades, altezas e realezas sereníssimas de todos os cantos do mundo, e eras. Telegramas de homens ilustres, cumprimentos, elogios, intimidades. Mas, se alguém puxasse assunto, ele fazia questão de ler os textos telegráficos. SUA MAJESTADE TONDORÔ, EXCELENTÍSSIMA, ILUSTRÍSSIMA, DIGNÍSSIMA, ALTEZA REAL (misturava tudo!), REI FRANCISCO DE NÃO-SEI-DAS-QUANTAS, TONDORÔ. HONRA CONTAR INSIGNE PRESENÇA SOLENIDADE CASTELO DO REI NABUCODONOSOR. ESPERANDO CONFIRMAÇÃO REAL.
Às dezoito horas as portas das lojas fechadas, encerravam mais um turno de trabalho. O rei Tondorô, magro, majestoso em seus farrapos (o saco e as sacolas atopetados de papel recolhido nas calçadas), voltava. Ia para casa, isto é para o seu castelo de celulose. Uma vez ele subiu a ladeira e sumiu do mapa.


Aju, março de 2005



TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 03/11/2007
Reeditado em 03/11/2007
Código do texto: T721722
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 69 anos
1682 textos (175344 leituras)
1 áudios (102 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 22:59)
TÂNIAMENESES