Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ABANDONAR É TÃO DIFÍCIL QUANTO LEVAR O FORA

            Tento, tento muito, até o final. Esgoto as possibilidades, esgoto o meu raciocínio, esgoto é claro, a paciência dos amigos.
Mas nunca me arrependi por um final de romance. As mulheres gostam desta dedicação.
          Nunca fui abandonada, mas diversamente do que possa parecer, o abandonar é morrer um pouco ou morrer muito de morte lenta e dolorosa.
          Não é mais fácil abandonar que ser abandonado. Dar o fora é difícil e doloroso desde o início quando ainda não sabemos o que devemos fazer, até criarmos a certeza de que a separação é o caminho pode-se passar anos de felicidade-meia-boca ou infelicidade completa ou de uma vida sem nenhum sentido... Verdade, sim, que a decisão rápida vem se turbinada por uma paixão avassaladora (gosto dessa palavra), mas ainda assim há quem espere o fogo da paixão abrandar e nenhuma mudança de vida é gerada por calor de brasa ou a toque de água morna, o banho-maria só leva ao deixa-estar-pra-ver como é que fica!
          A falta de felicidade às vezes bateu a minha porta e eu que não sabia como gerenciar a relação sem o sentimento de felicidade passei anos na dúvida do vou-ou-não-vou, pensando: "será-que-é-isso mesmo que tenho que fazer? E tornava-me ainda mais infeliz, por magoar alguém que parecia me amar tanto... Tão bonzinho... Dedicado... Esses bonzinhos que depois de nos livrarmos deles percebemos o quanto são chatos e o quanto eram egoistas e aproveitadores da nossa miopia...
          Ás vezes me parece que perco tempo, que ando devagar, que fico devendo à voracidade que as rodas de amigos impõem. Enquanto elas saem com 3, 4 eu ainda com aquela...Enquanto elas se divertem tanto, eu buscando soluções e claro cobrando atitudes, movimento... Mas acho tão legal saber que estou voltando pra casa para encontrar um pessoa que conheço... Embora goste daquelas batidas fortes, aqueles arranques do coração a caminho do encontro com a novidade, aquelazinha que caiu na nossa conversa lá naquela boate obscura, naquela praia preguiçosa, na fila do banco... A aventura me acelera o sangue, dá um gás na fantasia, alucina geral... Mas é muito bom um domingo chuvoso, um  fimlminho qualquer, um café na cama com aqules ridículos que só a intimidade provoca e só a intimidade pode perdoar...

maio/2004
Deusa Urbana
Enviado por Deusa Urbana em 05/11/2007
Reeditado em 24/12/2007
Código do texto: T724065
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Deusa Urbana
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
108 textos (4117 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 21:53)
Deusa Urbana